sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz 2012 sob as bençãos do povo cigano!

O texto  que segue abaixo é de um comentário que foi postado ontem no Arcano Dezenove pelos amigos do blog Cozinha dos Vurdóns.
A  mensagem é tão linda que resolvi postá-la aqui no anseio de que todos os que por aqui vierem hoje, ou em quaisquer outros dias, sintam as boas vibrações destas palavras.

Desejo a todos os povos de todas as crenças, cores e sabores um MAGNÍFICO 2012!

Cardcow.com - Fortune teller postcard

É tempo de ler as linhas das mãos, com sabedoria e altivez,
com humildade e discernimento.
Se a sorte te visita,
não a deixe fugir,
Se a tristeza te acompanha,
te esforça para recordar os momentos felizes,
a sabedoria sempre encontra o caminho,
a serenidade sempre recobra os sentidos,
a magia sempre ilumina a alma
o céu te protegerá por teto,
as estrelas por manto,
e que a liberdade seja sempre gaiola aberta
a guiar serenamente,
as estradas que se abrem.
Porque são nas linhas da tua mão
que se contam as vitórias,
que se tece o tempo,
que se constrói o presente
que se aprende com o passado
que se colhe o futuro.
Texto publicado no blog Cozinha dos Vurdóns
(Aproveite e veja por lá uma receita da Sopa da Sorte!)


A Bandeira do povo rom
(Styago le romengo)


A Bandeira Cigana é composta pelas cores: azul que simboliza a liberdade, o verde que simboliza a natureza  e o vermelho que representa as rodas das carroças ciganas.
Conheça mais sobre esta bandeira e tudo o que ela significa para seu povo na Cozinha dos Vurdóns.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Aprendendo sobre o símbolo sagrado







Outro texto sobre tema em:
http://cassiaderesenderixse.blogspot.com/2011/12/o-mantra-om-e-o-som-primordial-que.html


Para saber mais:
http://www.metododerose.org/blogdoderose/tag/ashtanga/

                                                     
Links utilizados nesta postagem
http://evelynebaldan.wordpress.com/2009/02/28/o-que-e-o-om/
http://evelynebaldan.wordpress.com/2009/04/12/a-medalha-com-o-om/
http://evelynebaldan.wordpress.com/2009/04/12/e-no-reverso-da-medalha-o-ashtanga-yantra/

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Povo Lakota: sua bandeira, música e linguagem

imagem: Pine Ridge Flag - Autor: Himasaram

Os textos abaixo foram extraídos de artigos publicados em inglês, tentei traduzi-los pelo Google e é claro que alguma coisa ficou perdida nesse tipo de tradução.
Abaixo de cada texto estão os links para as versões originais.
Tentando achar alguma coisa em português, para que o texto não ficasse tão sem sentido, acabei encontrando um blog muito interessante chamado"Atlantis Burnama Kumara" que explica um pouco sobre a linguagem deste povo "y otras cositas más", vale a pena visitar.
Boa leitura!

ATUALIZANDO:
Hoje dia 7 de Janeiro, recebi (via email) de Thunna Burnama , autor do blog "Atlantis Burnama Kumara", duas correções com relação à grafia e o significado de duas palavras: 
1.Thióšpaye ( lê-se aproximadamente "t'ri'ósh'paie", que significa: divisão de uma tribo, clã, comunidade, uma pequena turma de pessoas ou um grupo sob um chefe. "thi" = verbo viver, morar, ter morada; "ošpaye" = um grupo, um grupo fragmentado (separado de toda a tribo ou do chefe).
Também quer significar: uma espécie de animal ou uma companhia de soldados.
2.Hóčhoka (lê-se aproximadamente "Ró'tchoka". que é a área interior do círculo em campo (não há a letra "c" em Lakota, apenas o " č " que se lê "stch" e o "čh" que se lê "tch". 
A palavra para dizer círculo, uma roda, aro, arco, argola é " Čhaŋgléška" (lê-se aproximadamente "Tchan'glésh'ka". Há uma variante: " Očháŋgleška", cuja acentuação tônica é diferenciada: "Otchán'glêska".

A bandeira é composta por oito tipis (tendas) brancas, cada uma delas representa um dos oito distritos em que os sete thiyošpayes ( de thi, 'morar' e  ošpaye, "um grupo,um grupo fragmentado (separado de toda tribo ou do chefe" ) dos Oglala Lakota quando se estabeleceram em Pine Ridge, no final do século XIX. 
As tipis (tendas) estão dispostas em Hóčhoka* (área interior do círculo em campo) é um símbolo que representa a continuidade e a unidade o fundo vermelho também é uma cor sagrada.
É apenas um pequeno pano simples com um desenho simples, porém cheio de significado, orgulho, fé e esperança.



Usada pela primeira vez em 1961, esta bandeira foi aprovada pela Sioux Oglala Triba OST Council em 9 de Março de 1962, como a bandeira oficial dos Sioux Oglala Tribe (OST).
O círculo de oito tendas na bandeira representam os nove municípios da reserva:
Porcupine,
Wakpamni,
Medicine Root,
Pass Creek,
Eagle Nest,
White Clay,
LaCreek,
Wounded Knee e
Pine Ridge.  
O campo vermelho representa o sangue derramado pela tribo em defesa de suas terras e faz uma referência alegórica ao termo "homem vermelho", pelo qual foram chamados os americanos europeus. O azul* representa o céu, como pode ser visto em todas as quatro direções cardeais durante o culto do Grande Espírito, e os elementos. Ela também representa o conceito espiritual Lakota do céu como "campo de caça" para onde partiram os membros da tribo. 
*Não sei onde está o azul na bandeira, enfim é o que consta no texto.


Hóčhoka*
Na filosofia Lakota, o modo de vida das pessoas comuns e de todas as coisas espirituais estão dentro do círculo. O povo Lakota ensina a seus filhos, netos e as gerações futuras que tudo está dentro do círculo sagrado, o Hóčhoka.
imagem: Sacred Circle

clique no link para ouvir os samples



inks utilizados nesta postagem:
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Pine_Ridge_Flag.svg
http://lifeconsulting.multiply.com/journal/item/92?&item_id=92&view:replies=threaded
http://1onewolf.com/lakota/index.htm
http://www.bsu.edu/eft/indian/p/pop_cycles.htm
http://www.amazon.com/Prayer-Songs-People-Hocoka/dp/B002FOG0U8
http://atlantisburnamakumara.blogspot.com/p/kitala-lakhotiyapi.html

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Felicidade começa com L - parte 2

imagem: eu e meu livro

Semana passada postei aqui no blog sobre o livro que ganhei em um sorteio.
Acabei de recebê-lo agora e esta postagem vale meu agradecimento à Potira pelo livro e pelos votos de um bom Natal e um Maravilhoso 2012!
É o que desejo para ti também Potira, e para todos nós!   

Leia no Unique Índia: Soraia e seu livro

Contemplando os Crop Circles


clique na imagem para ouvir
imagem Crop circles: Conciencia Fraterna y Reinos de la Naturaleza



imagem:http://www.youtube.com/watch?v=bAKNYkagVsk





Link utilizado neste post:
http://www.irdin.org/audicoes/outros/destaques/2814_0001_es__crop_circles_y_contemplacion.mp3



segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O Nascimento de Buda


Buda Shakyamuni

O trecho seguinte sobre a vida de Buda foi extraído do livro de Geshe Kelsang Gyatso,Introdução ao Budismo:

O Buda que fundou a religião budista chama-se Shakyamuni. Shakya é o nome da família real no seio da qual ele nasceu e a palavra muni significa “o capaz”.
Buda Shakyamuni nasceu em 624 a.C., em Lumbini, que na época fazia parte da Índia, mas hoje pertence ao Nepal.
Sua mãe foi a rainha Mayadevi e seu pai, o rei Shudodana.

Continue lendo aqui

Link utilizado nesta postagem: http://kadampa.org/pt/reference/o-nascimento-de-buda

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Libertação Interior


Mergulho no Oceano Imenso do Amor Infinito, onde tudo é harmonia, onde tudo é perfeição..
Descarrego no meu Cristo Interno todos os fardos da minha vida e sei que na Mente Divina existe uma solução perfeita para todos eles.
Visualizo a manifestação Divina em todas as pessoas envolvidas nos fatos atuais que me cercam e em todas as situações ao meu redor.
Afirmo estarem todos os que fizeram a minha história no passado, envoltos na Luz Crística do Amor, da Paz e da Alegria.
Ninguém me poderá fazer infeliz sem o meu próprio consentimento.



FELIZ NATAL 
PARA TODOS OS AMIGOS,
 SEGUIDORES E
 VISITANTES
 DO BLOG. 



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Felicidade começa com L - parte 1


Calma! eu sei e que começa com F, mas nesse caso é com L de LIVRO.
Hoje fiquei sabendo que ganhei o livro Índia: Os caminhos entre a fé e a modernidade, num sorteio que participei no blog Unique Índia.
Desde já agradeço a criadora do blog por esta ideia maravilhosa e aos deuses por esta dádiva!

Leia AQUI a outra parte da história!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Pai Seta Branca


imagem: Pai Seta Branca
 “Divino Seta Branca
 Tu és a lei de Deus
 Imaculado sejas tu
 Juntinho aos pés de Jesus
 Seta Branca querido por nós
 Tu és o Amor e és a luz
 Que iluminas os tiranos corações
 Erguendo seus filhos a Jesus”.(*)

O texto abaixo embora longo, vale a pena ser lido com atenção. 

O Vale do Amanhecer e as Configurações de um Mito 
em Códigos Verbais,Cinéticos, Visuais e Sonoros.
Mrs.Carmen Luisa Chaves Cavalcante
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil


Sobre o Vale do Amanhecer
A comunidade religiosa do Vale do Amanhecer tem um forte apelo milenarista e é marcada por um intenso hibridismo religioso. Fundada em 1968 e localizada a 6 km de Planaltina, cidade satélite de Brasília, teve sua criação diretamente associada à vida da sergipana e ex-caminhoneira Neiva Chaves Zelaya, mais conhecida como Tia Neiva, e às supostas aparições de uma entidade indígena chamada Pai Seta Branca, seu mentor espiritual.
Em 1957 Tia Neiva, de acordo com os adeptos, passou a ver e ouvir espíritos. Um cacique enfeitado com plumas brancas e falando espanhol foi o primeiro a se manifestar. Identificando-se como Pai Seta Branca, essa entidade estaria a serviço de uma grande missão aqui na Terra. Uma vez que não mais poderia encarnar, teria escolhido Tia Neiva como sua substituta na criação de uma doutrina que, através da prática da cura espiritual, iria preparar a humanidade para a chegada do terceiro milênio. Época em que não existiriam dor e sofrimento.

Pai Seta Branca e o mito fundante da comunidade   
Pai Seta Branca é uma presença constante na história do Vale do Amanhecer. Nas narrativas míticas dos fiéis, é considerado um “espírito de luz”, “um espírito que se alimenta das energias do ‘céu’”. Possui atributos divinos e é identificado como “algo único e ímpar, criado por Deus, o qual um dia na eternidade iniciou uma trajetória, tornou-se ‘impuro’ e, fazendo um retorno elíptico, ‘voltou’ para Deus” (Álvares, 1991b: 7).

Sobre os modos como se deram a suposta remissão de seus atos impuros e conseqüente consagração nos planos espirituais superiores, ou Astral Superior, pouco se sabe. O importante para os adeptos é que, após tornar-se um espírito iluminado, Pai Seta Branca teria vindo a Terra repetidas vezes, sempre na condição de executar sentenças divinas, como, por exemplo, a de auxiliar Tia Neiva na criação da doutrina do Vale do Amanhecer.

Espécie de herói civilizador da comunidade, Pai Seta Branca é certamente a entidade de mais prestígio entre os fiéis. A narrativa referente a sua trajetória cármica assume características de um mito. Definido por Eliade (1989: 12) como uma fala, o relato de uma história sagrada, de um acontecimento fundante que teve lugar num tempo primordial, no fabuloso tempo dos “começos”, para Mielietinski (1987: 200-206), o mito está normalmente associado à figura do herói, refere-se à criação de alguma coisa: o primeiro fogo, a primeira planta, os primeiros procedimentos medicinais e de caça, assim como as primeiras atitudes moralmente positivas e negativas.

De fato, entre os fiéis, a figura de Pai Seta Branca encontra-se diretamente atrelada à gênese do ser humano, passando pela criação de cidades, civilizações, entre outros, e culminado com a fundação do Vale do Amanhecer. Sua história, embora apresente algumas variações, pode ser dividida, basicamente, em cinco momentos, correspondentes ao número das supostas encarnações que ele teria tido na Terra. São elas: o equituman, o tumuchi, o jaguar, o Assis e o cacique, respectivamente.

Das encarnações de Pai Seta Branca: narrativas que compõem o mito.
Contam os adeptos que todos os seres humanos descendem dos habitantes de um planeta chamado Capela, cujos moradores seriam bastante desenvolvidos nos planos físico, científico e espiritual. A estes seres teria cabido a missão de colonizar a Terra. No entanto, como suas constituições físicas não lhes permitiam a adaptação ao novo planeta, tiveram que passar por uma espécie de mutação. Transformaram-se, assim, nos equitumans, seres semidivinos que, além de andróginos, mediam de três a quatro metros de altura (Cavalcante, 2000: 50).

De acordo com o adepto Álvares (1991b: 7), os equitumans chegaram a Terra em naves, estabelecendo-se na região andina, na América Latina. Viveram durante 2000 anos, até que desapareceram repentinamente, num cataclismo que atingiu o planeta. Tal acontecimento teria sido provocado pela aproximação de um corpo extraterreno, semelhante a uma nave espacial. Mortos em decorrência dos efeitos provocados por esse objeto do espaço, os equitumans teriam sido sepultados na área do atual lago Titicaca, situado entre o Peru e a Bolívia. Segundo Álvares, na linguagem do Vale do Amanhecer, essa nave ficou conhecida como Estrela Candente, e o fenômeno da formação do lago configurou-se como resultante de “uma lágrima da Estrela Candente”. O referido acontecimento teria ocorrido sob a direção de Pai Seta Branca, então comandante da nave (Álvares, 1991b: 8).

Após o desaparecimento do equitumans, Pai Seta Branca, na versão dos fiéis, teria organizado os últimos remanescentes desta civilização em grupos de sete para efetuarem uma nova “colonização” do planeta Terra. Recebendo uma outra denominação, passaram a ser chamados de orixás. Dos grupos integrados pelos orixás, no entanto, formar-se-iam inúmeros clãs de missionários conhecidos pelo nome de tumuchis (Cavalcante: 2000: 51).

De acordo com Álvares (1991b: 8), os tumuchis seriam hábeis artesãos e cientistas, avessos à guerra. Conheciam e manipulavam o potencial energético dos corpos planetários; moviam-se na superfície do planeta com naves próprias, guiados por mapas e maquetas do globo terrestre. Liderados por Pai Seta Branca, encarnado como um chefe tumuchi, teriam construído monumentos em vários pontos do planeta, podendo até hoje ser conhecidas as suas ruínas. Tal é o caso da cidade de Machu-Pichu, a famosa cidade sagrada dos incas, no Peru. Outros monumentos seriam as pirâmides do Egito e as cabeças gigantes da Ilha de Páscoa.

Passados cinco mil anos, na versão de Álvares (1991b: 9), teriam vindo os jaguares, cujo símbolo universal era a figura estilizada dos felinos. Em uma outra versão, sustentada pelos adeptos, conta-se que os jaguares teriam surgido entre os próprios tumuchis que habitavam a região andina. E que novamente liderados por  Pai Seta Branca, chamavam-no de o “Grande Jaguar”, devido a sua força e sagacidade de guerreiro, além de sua eficiência em lidar com processos químicos e físicos (Cavalcante, 2000: 51).

De acordo com Álvares (1991b: 10), diversas civilizações continuaram a surgir e a desaparecer, sempre em ciclos de 2000 anos. Com o nascimento de Jesus, porém, e a conseqüente instauração do “Sistema Crístico”, Pai Seta Branca despiu-se de sua roupagem de guerreiro e encarnou novamente na Terra, desta vez como um santo da Igreja Católica. Divulgando única e exclusivamente o amor e o livre arbítrio entre os habitantes do planeta, teria vivido na Itália como São Francisco de Assis.

No século XVI, segundo Álvares (1991b: 10-11), Pai Seta Branca estaria encarnado no planeta Terra como um cacique mestiço de um povo também andino, da região fronteiriça entre Brasil e Bolívia. Nessa época, ele seria também conhecido como Cacique da Lança Branca, devido à alvura da ponta de sua lança, a qual passou a caracterizá-lo e o tornou uma personalidade lendária. Pai Seta Branca lutava, sobretudo, pela paz e salvação dos povos, e trazia no olhar a sabedoria dos seres iluminados pelo amor divino. Fato que, nessa época, o teria feito persuadir os espanhóis de desistirem do extermínio às últimas aldeias incas. E fato que, mais tarde, de acordo com os adeptos, fez com que ele escolhesse Tia Neiva como sua substituta, convencendo-a a criar o Vale do Amanhecer.

As codificações de Pai Seta Branca
Diante de tais narrativas fica explícito que as referências aos povos pré-colombianos não são fiéis ao que costumam dizer os historiadores, arqueólogos e antropólogos. Tal é o caso da criação das pirâmides egípcia, dos monumentos da Ilha de Páscoa e da cidade de Machu-Pichu. De fato, entre os adeptos do Vale do Amanhecer, os incas, maias e astecas não são exatamente aqueles conhecidos pelos pesquisadores. No que diz respeito a sua relação com Pai Seta Branca, essas menções misturam-se a outros elementos, como a nave extraterrena Estrela Candente e apresentam-se, por fim, modificadas, diferentes do que eram anteriormente.

A esse mecanismo, que opera pela recodificação de uma tradição anterior em algo inesperado e novo, pode-se chamar, segundo a semiótica russa, de modelização. Tipo de tradução ou processamento de códigos que se define enquanto passagem, travessia, movimento, portanto; e que se apresenta com freqüência no caso do objeto estudado. Nesse sentido, se existe entre os adeptos a crença em um Pai Seta Branca pré-colombiano, é fato que referências a esses povos estarão presentes, no objeto mencionado, de uma forma diferenciada, re-significada, portanto.

A codificação verbal, seja ela oral ou escrita, juntamente com a visual é, sem dúvida, a codificação de maior força de um Pai Seta Branca pré-colombiano. Ao que parece, os demais códigos, tanto os cinéticos como os sonoros, mesmo estando em permanente diálogo com os primeiros, e sendo de importância fundamental nessa formação, atuam basicamente como secundários. Contudo, para efeito de exposição neste trabalho, em um primeiro momento, deter-se-á sobre o código verbal, para em seguida se analisar o visual e as relações destes com os demais citados.

Embora pudesse ouvir e ver espíritos, teria sido a partir da fala - mítica, porque fundante - que Tia Neiva recebeu de Pai Seta Branca as informações de sua missão na Terra, e foi instruída pelas entidades na construção do Vale do Amanhecer. Pela palavra foram por ela reveladas, a toda comunidade, uma cosmogonia e uma cosmologia próprias à doutrina, e organizados os rituais, bem como a concepção física do local. Dizeres que eram passados aos adeptos por meio de palestras, conversas informais e cartas. Foi também pela palavra, em seus supostos encontros com a clarividente, que Pai Seta Branca teria contado, entre outras histórias, a sua própria. História que fala de incas, mais e astecas, e que assume, pelo mecanismo da recodificação, uma feição e características singulares, marcadas pelo inesperado e pelo status de pura criação.

O fato de os equitumans terem se estabelecido na região dos Andes e serem sepultados na área do atual lago Titicaca, dando origem inclusive à formação do referido lago, como resultante de “uma lágrima da Estrela Candente”, mostra bem esse aspecto de recodificação. O lago Titicaca é, de fato, uma referência importante para alguns povos andinos, seja por seu aspecto sócio-econômico - relativo à moradia e à atividade da pesca -, seja em seu aspecto mítico. Segundo Zuidema (1991: 25), há uma narrativa que conta como Manko Kapác, fundador da dinastia dos reis incas, chegou a Cusco, capital do império inca. Nessa versão, ao invés de ele ter supostamente surgido, juntamente com seus três irmãos, de uma gruta, como relata Favre (1988: 14), o herói civilizador e ancestral mítico do povo mencionado, apareceu pela primeira vez no mundo como nascido do lago Titicaca.

Outra referência de destaque presente no Vale do Amanhecer é à cidade de Machu-Picchu, o famoso santuário Inca. Nas narrativas míticas dos seguidores de Tia Neiva, as ruínas dessa cidade nada mais seriam que provas da existência da civilização tumuchi que, assim como a dos incas, segundo Favre (1988: 75-84), eram constituías por hábeis artesãos, grandes cientistas (astronomia e matemática) e arquitetos.

E se, segundo Favre (1988: 9), os pré-incaicos chavín (1800-400 a.C.) cultuavam o jaguar, no Vale do Amanhecer a figura desse felino não é menos importante. Para os seguidores de Tia Neiva, Pai Seta Branca encarnou na Terra como o “Grande Jaguar”, líder extremamente respeitado por sua coragem, astúcia e conhecimentos científicos. No Vale, o nome jaguar se estende, ainda, a todos os adeptos do sexo masculino, como uma forma de rememorar as façanhas do notável guerreiro e de reconhecê-los, também, como valentes e integrantes, em uma outra vida, do grupo comandado por Pai Seta Branca.

Há um aspecto interessante entre as narrativas míticas dos astecas, que é o da associação entre o jaguar, o sol e o seu oposto, a noite. De acordo com Soustelle (1987: 74), os astecas acreditavam que o mundo fora precedido por quatro outros universos, os “Quatro Sóis”, dentre os quais o primeiro chamava-se “Quarto-jaguar”. Este sol teria desaparecido em um gigantesco massacre, no qual os homens haviam sido devorados por jaguares. Segundo ele, entre o referido povo, o jaguar correspondia a Tezcatlipoca, deus das trevas e do céu noturno pontilhado de estrelas, tal qual a pelagem do felino. Vale dizer ainda que os astecas eram, por excelência, o “povo do sol”. E que, conforme Soustelle (1987: 14), em suas origens, já adoravam o deus solar e tribal Uitzilopochtli.

O Sol era também adorado pelos incas (1200-1572 d.C.), com o nome de Inti. Viracocha, seu oposto complementar, foi também uma divindade importante para o panteão incaico. Estava associado à terra e à água e foi, para os habitantes de Tiahuanaco, segundo Busto (1998: 1), o criador dos homens. De acordo com Ferreira (1995: 54), Viracocha era o deus criador e civilizador do universo. Após terminada sua obra, partiu pelo mar em direção ao Oeste; estando, assim, associado à costa. Já o Sol, deus principal e fonte da vida, teve seu culto difundido e imposto a todas as comunidades conquistadas nos Andes centrais. De acordo com Wachtel (apud Busto, 1998: 1-2), o Sol e Viracocha são deuses complementares por traduzirem as categorias do pensamento inca, além de entrarem em um sistema de correlações e oposições. Ao Sol referem-se o céu, o fogo a serra e o alto; a Viracocha, a terra, a água, a costa, e o baixo. Partes de uma visão global do mundo, formada a partir de uma mesma cosmogonia que comporta indivíduos bem como as dimensões de espaço e tempo.

Tal correspondência entre o Sol e Viracocha parece explícita na representação geralmente atribuída ao segundo, nas ruínas de Tiahuanaco, na área boliviana, próxima ao lago Titicaca. De cabeça retangular, contornada por uma auréola formada por raios e um rosto que parece humano, o deus ocupa o centro da famosa Porta do Sol, importante monumento do mundo andino. Está em posição frontal e segura um par de báculos, com forma de condores de pescoços compridos, mostrando-se adorado por quarenta e oito pequenas criaturas. Nesse caso, o Sol e Viracocha estão unidos não apenas em termos de narrativa, mas também de iconografia, pelos raios que circundam a cabeça do último.

Essa figura guarda uma forte semelhança com imagem do jaguar do Vale do Amanhecer, presente nas insígnias e roupas dos fiéis, bem como nas paredes dos templos. A figura do jaguar do Vale também é apresentada em perspectiva frontal; no entanto, não tem um corpo. Resume-se a uma cabeça, semelhante à do deus Viracocha. Essa cabeça é igualmente circundada por feixes de luz que lembram raios solares, embora sejam coloridos, como os do arco-íris. Tal referência é legitimada inclusive pelo adepto Vladimir Carvalho (06/1995) ao fazer alusão ao jaguar do Vale: “é um jaguar estilizado (...) se você for no altiplano boliviano, na Porta do Sol, você vai encontrar essa cabeça (...)”.          

 Detalhe da Porta do Sol /  Viracocha 

  Insígnia com cabeça de jaguar 
   
A associação Viracocha - jaguar é uma criação dos adeptos do Vale do Amanhecer. Idéia que tem como base um relativo conhecimento da iconografia não apenas andina, mas pré-colombiana de um modo geral. De fato, a imagem do jaguar é constantemente representada na arquitetura e nas artes dos povos mencionados. E se Cusco, em seus primórdios, tinha a forma de um puma (felino da família do jaguar) - da qual a fortaleza de Sacsahuan seria a cabeça, enquanto que a confluência dos dois rios que atravessam a cidade formaria a cauda -, como afirma Favre (1988: 67-69), no Museo de La Nacion e no Museo del Oro, ambos em Lima, pode-se encontrar algumas representações, sobretudo de divindades pré-incaicas, com formas híbridas. Na maioria dos casos, verifica-se uma mistura de traços humanos com os de um jaguar, podendo-se verificar, também, a presença de animais alados.

A imagem do Sol, juntamente com a Lua, também é uma constante nas figurações do Vale do Amanhecer. Estão inclusive sobre o templo principal da comunidade, o qual tem sua fachada feita de pedras, lembrando as ruínas de algumas de suas supostas encarnações, como a dos pré-colombianos. Considerados como divindades entre grande parte dos povos mencionados, no Vale, o Sol e a Lua são elevados à categoria de “astros guia” da doutrina. As cores que os representam são sempre o amarelo ou o dourado e o azul ou o prateado, respectivamente. Enquanto a lua é associada ao princípio feminino, entre os adeptos, o sol é visto enquanto centro de energia vital do universo. Simboliza o Oráculo de Ariano - foco irradiador de energia -, também conhecido como Oráculo de Simiromba ou Oráculo de Pai Seta Branca.

Na iconografia do Vale do Amanhecer, Pai Seta Branca, ou Cacique da Lança Branca - se lembrado em sua em sua última encarnação -, é sempre um índio de aparência bonita, jovem e altiva. Veste-se com uma túnica azul, um longo cocar e usa sandálias de couro. Tem olhos puxados, pele morena, e segura com as duas mãos uma flecha/lança de seta (ponta) branca, como indicado em seu próprio nome - relação que evidencia um nítido diálogo entre os códigos verbais e visuais.


Pai Seta Branca / pintura de Vilela

O texto Pai Seta Branca pré-colombiano pode ser percebido, ainda, em sua codificação cinética. Segundo os adeptos, a referida entidade incorpora em alguns rituais do Vale do Amanhecer, como é o caso da Bênção de Pai Seta Branca, realizado no primeiro domingo de cada mês e o Oráculo, executado nos dias de quarta, sábado e domingo (dias de trabalho oficial). Há também uma bênção anual, concedida pela entidade no dia 31 de Dezembro, por ocasião da passagem do ano.

Falando em um espanhol bastante rudimentar, o espírito, supostamente incorporado no corpo de um fiel, apresenta, invariavelmente, um semblante, um gestual e um tom de voz tranqüilos. Manifestação que só se dá após o cumprimento de preceitos rigorosos por parte dos adeptos. Os rituais do Vale são extremamente complexos: exigem a presença de um grande número de fiéis, devidamente paramentados e conhecedores de uma organização minuciosa, em que palavras, canto, gestos e movimentos são rigidamente pré-estabelecidos. Rituais, aliás, que se encontram descritos em ricos detalhes em um dos livros editados pela comunidade e que mostram, em sua constituição, a íntima relação entre os códigos verbais, visuais, sonoros e cinéticos.

Fazendo uma nova ligação entre o verbal e o cinético, e estabelecendo a relação destes com o código sonoro, há um canto da comunidade que, segundo Álvares (1991a: 30), atua como um chamado à referida entidade. Pai Seta Branca ao ouvir tal canto, teria facilitado seu deslocamento dos planos espirituais para o plano físico. “Divino Seta Branca/ Tu és a lei de Deus/ Imaculado sejas tu/ Juntinho aos pés de Jesus/ Seta Branca querido por nós/ Tu és o Amor e és a luz/ Que iluminas os tiranos corações/ Erguendo seus filhos a Jesus”.

Mas não é apenas o canto criado pela comunidade que, segundo os adeptos, refere-se a Pai Seta Branca. Há, para seus devotos, uma outra forma de musicar a entidade. Uma nova modelização, entre as tantas já apresentadas, que se verifica a partir da tradução de uma tradição estranha à entidade indígena, em algo inesperado e de fácil leitura. Os adeptos do Vale apropriaram-se de uma música de Caetano Veloso, e dela fizeram uma referência direta à entidade em questão.

Sobre esse assunto, Martins (2001: 2) afirma que Ana, uma mulher criada pela clarividente, fala do tempo em que o artista baiano foi recebido por Tia Neiva no Vale do Amanhecer. Depois de conversar longo tempo com a clarividente, Caetano Veloso teria ido visitar o templo de pedra, ou templo principal. A emoção de ver imagem de Pai Seta Branca, ali, diante de seus olhos e em grandes proporções, teria sido tão grande que ele compôs, em homenagem à entidade, a música “Um índio” [1] .

De fato, como diz a autora,a canção de Caetano põe em evidência o personagem central mais sagrado da doutrina do amanhecer, o cacique inca Pai Seta Branca, cuja imagem está sentada no centro do templo de pedra, impávido, tranqüilo e infalível, preservado em pleno corpo físico, a esperar a entrada da nova era (Martins, 2001: 2).

Desse modo, se na canção de Caetano, um índio descerá de uma estrela colorida brilhante e pousará no coração do hemisfério sul na América, de acordo com Martins, para os seguidores da doutrina do amanhecer, o índio é o Pai Seta Branca, cacique inca, mentor espiritual da Tia Neiva. A estrela colorida e brilhante é a Estrela Manhante, lugar onde vivem os espíritos mais evoluídos que descem ao Vale do Amanhecer para trabalhar incorporando nos médiuns, com a finalidade de promoverem a cura do espírito [ou seria a Estrela Candente?]. O coração do hemisfério sul da América, o ponto eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico, o centro do mundo, lugar predestinado para se encontrarem os que se preparam para a entrada do terceiro milênio é o próprio Vale do Amanhecer (Martins, 2001: 2).

E mais: se, na música de Caetano, no momento em que o índio descer, o que se revelará aos povos, surpreenderá a todos não por ser exótico, mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto quando terá sido o óbvio significa, segundo Martins (2001: 2), referindo-se aos adeptos, que Pai Seta Branca descerá para encerrar o milênio. E que levará, consigo, os seguidores da doutrina do amanhecer para o Astral Superior - lá estaria situado o planeta Capela -, onde não mais terão a necessidade de encarnar e onde não mais perecerão de dor e sofrimento. Assim, com a chegada de Pai Seta Branca a Terra, na visão dos fiéis, será aplicada a lei da evolução dos espíritos e, como profetizaria a música de Caetano, tudo o que antes parecia pertencer ao ocultismo, mostrar-se-á como o óbvio [2] .

Referências bibliográficas

ÁLVARES, Bálsamo (Org.). Hinos mântricos. Brasília: [do autor], 1991a.
______. Mensagens de Pai Seta Branca. Brasília: [do autor], 1991b.
______. Leis e chaves ritualísticas. Brasília: [do autor], 1993.
BUSTO, José Antônio del. “La religión incaica”. In http://www.magicperu.com/atlas/default14.htm, acessada em 20/08/2001
CAVALCANTE, Carmen Luisa. Xamanismo no Vale do Amanhecer: o caso Tia Neiva. São Paulo: Annablume, 2000.
ELIADE, Mircea. Aspectos do mito. Lisboa: Edições 70, 1989.
FAVRE, Henri. A civilização inca. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.
FERREIRA, Jorge Luiz. Incas e astecas: culturas pré-colombianas. São Paulo: Ática, 1995.
FRANCHETTI, Paulo; PÉCORA, Alcyr. Literatura comentada: Caetano Veloso. São Paulo: Nova Cultural, 1981.
LOTMAN, IURI M; USPENSKI, Boris; IVANOV, V.V et alii. Ensaios de semiótica soviética. Lisboa: Livros Horizonte, 1981.
LOTMAN, Iuri. La semiosfera (vol 1). Madrid: Cátedra, 1998.
MARTINS, Maria Cristina de C. “O Amanhecer de uma Nova Era: uma análise do espaço sagrado e simbólico do Vale do Amanhecer”. In http://www.ifcs.ufrj.br/jornadas/papers/09st0805.rtf, acessada em 28/08/2001
MIELIETINSKI, E. M. A poética do mito. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.
SOUSTELLE, Jacques. A civilização asteca. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987.
ZUIDEMA, R. Tom. La civilizacion inca en Cusco. México: Fondo de Cultura Económica, 1991.
* Entrevistas com os adeptos do templo de Brasília nos períodos de 22 a 30 de julho e de 02 a 12 de dezembro de 1995, de 28 a 05 de dezembro de 1996, 17 a 21 de outubro de 1997.


[1] A música de Caetano tem a seguinte letra: “Um índio descerá de uma estrela colorida brilhante/ de uma estrela que virá numa velocidade estonteante/ e pousará no coração do hemisfério sul na América num claro instante/ Depois de exterminada a última nação indígena/ e o espírito dos pássaros das fontes de água límpida/ mais avançado que a mais avançada das mais avançadas das tecnologias/ virá impávido que nem Muhammad Ali/ virá que eu vi/ apaixonadamente como Peri/ virá que eu vi/ tranqüilo e infalível como Bruce Lee/ virá que eu vi/o axé do afoxé dos filhos de Gandhi, virá./ Um índio preservado em pleno corpo físico/ em todo sólido todo gás e todo líquido/ em átomos palavras alma cor em gesto em cheiro em sombra em luz em som magnífico/ Num ponto eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico/ de um objeto sim resplandecente descerá o índio/ e as coisas que eu sei que ele dirá fará não sei dizer assim de um modo explícito/  E aquilo que nesse momento se revelará aos povos/ surpreenderá a todos  não por ser exótico/ mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto/ quando terá sido óbvio” (Franchetti, Pécora, 1981: 93).

[2] É importante salientar que, para os seguidores da doutrina, a passagem do milênio, embora diga respeito à época atual, não corresponde ao exato momento e data estipulados pelos calendários comuns. O tempo do Vale é um tempo sagrado, tem um ritmo próprio, distinto do profano. Desse modo, a chegada de Pai Seta Branca ainda está por acontecer.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Quem são os Anjos Xamânicos?


imagem: Xamânico por Lilian Piccili


Mensagens do livro “Despertar para os Anjos

Nós, os Anjos Xamânicos, assim como todos os anjos que estão atuando no plano astral deste planeta agora, estamos sempre dispostos a ajudar qualquer pessoa que nos permita ser ajudado. Para tanto, vocês devem nos convidar para dentro do seu mundo, pois como todos vocês tem seu próprio livre arbítrio, nós não podemos ajudá-los sem sua permissão. Não podemos ajudá-los a não ser que PEÇAM ajuda, e nos permitam entrar em suas vidas. Este é o verdadeiro significado da oração. 

Nós estamos aqui para lhes mostrar o caminho para este poder infinito que sempre esteve dentro de vocês, mas que foi esquecido, durante os últimos séculos de materialismo neste planeta. Isto foi parte do processo evolutivo humano na Terra, mas agora chegou a hora de vocês se unirem conosco novamente. 

Estamos aqui para realmente ajudar quem pedir por nossa ajuda. Não tenha medo. Somos Seres da Luz, e como tais, podemos lhes trazer somente alegria e compreensão. Deixem que nós anjos entremos em suas vidas! Convidem-nos a serem co-criadores do seu futuro. Nós lhes asseguramos que não irão se arrepender em nos deixar ser parte de suas vidas! 

Costumávamos viver na Terra entre diferentes tribos indígenas das Américas. Agora ainda existimos alguns de nós encarnados como líderes espirituais destes povos, mas a maioria de nós está vivendo no mundo espiritual. Nós encarnamos na Terra muitas vezes, no processo de relembrar a nossa verdadeira identidade como Anjos. Em tempos antigos, era necessário que estivéssemos encarnados para podermos realizar o nosso trabalho. Mesmo que a maioria de nós não estava totalmente consciente da nossa verdadeira natureza naquele tempo, nós pudemos trabalhar como canais de luz para iluminar e inspirar o nosso povo.

Agora, mesmo com todo esse caos acontecendo na Terra, existem muito mais almas encarnadas que estão preparadas a ouvir a nossa mensagem e estão também dispostas a colaborar em serem canais. Desta maneira, nós não precisamos atuar no plano físico. Por isso que a maioria de nós não está mais vivendo como seres humanos. Graças à conscientização global de poucos nos últimos séculos, mas que representam uma parte significativa da população humana, nós, os Anjos Xamânicos, fomos liberados de nossas obrigações de estarmos encarnados como seres humanos, e pudemos retomar a nossa verdadeira identidade como Anjos, num nível dimensional superior. Mas ainda estamos ligados a todos vocês, os ajudando a entender o que vocês, como uma espécie coletiva, estão passando neste importante momento transitório de seu processo evolutivo na Terra. 

Já fazem muitos verões desde que eu deixei as dimensões físicas como um indivíduo. Eu fui o escolhido pelo nosso grupo para me comunicar com vocês porque eu já reencarnei como humano como líder de várias tribos indígenas durante séculos. Mas estamos todos ajudando no processo de escrever este livro. Nós temos várias hierarquias, e cada um de vocês tem um anjo da guarda pessoal, que os ajudam em suas vidas diárias. Existem outros tipos de anjos que protegem grupos étnicos maiores, como eu, que sou um Anjo Indígena Xamânico. E também existem outras hierarquias superiores de anjos, chamados de Arcanjos, que estão presentes em algumas de suas literaturas religiosas. 


Fonte: http://www.blueangelis.com/mensagens9.html

sábado, 17 de dezembro de 2011

A sabedoria dos tolos



Era uma vez um homem que se perdeu no país dos tolos. Em seu caminho viu gente fugindo de um campo em que pretendiam cultivar trigo. Contaram-lhe que havia um monstro no campo. Ele olhou para lá e viu que se tratava de uma melancia. Ofereceu-se para matar o monstro, cortou a fruta, e começou a saboreá-la. 

Então as pessoas ficaram com mais medo ainda dele, muito mais do que tinham tido da melancia. Gritaram: "Se não nos livrarmos logo dele, seremos comidos em seguida", e o enxotaram dali. Noutro dia, um viajante se perdeu naquele país e também encontrou as pessoas apavoradas diante do citado monstro. Mas em vez de oferecer-lhes ajuda, fez de conta que concordava com elas, fugindo do monstro, o que lhe conquistou a confiança. Viveu entre elas durante muito tempo, até que, finalmente, pouco a pouco, pode lhes ensinar aquelas ações tão simples, que as capacitou não só a perder o medo de melancias, mas também a plantá-las.

Conto Sufi  de Idries Shah



Site oficial: http://www.idriesshah.com/

Mais do mesmo em: http://ossufis.multiply.com/


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Lobo - O Professor


Lobo...
           Professor,
                       Mestre,
                                                                Desbravador de caminhos,
                                                                    Cão lunar de minh'alma.

Uivando,
                      Cantando,
                                               Ensinando a viver.

Na Grande Nação das Estrelas, o Lobo é representado pela Estrela do Cachorro, Sirius, da qual, segundo as antigas tradições, vieram nossos mestres. Para os egípcios do tempo dos faraós,  assim como para a tribo africana Dogan na época atual, Sirius é a morada dos Deuses.
O Lobo tem os sentidos muito aguçados e tem na lua a sua aliada de poder. A lua simboliza a energia psíquica, e também o inconsciente que guarda os segredos da sabedoria e do conhecimento.
Ao uivar para a lua, o Lobo manifesta seu desejo de entrar em contato com as novas idéias que se ocultam sob a superfície da mente inconsciente.
A magia do Lobo fortalece e estimula o professor que este dentro de cada um de nós.
O totem do Lobo nos estimula a ensinar as crianças da Terra a viver em harmonia e a compreender o Grande Mistério e o sentido da vida.


imagem: http://picasaweb.google.com/chrissamothrace/LesCarteMedecines#

texto:Cartas Xamânicas - A Descoberta do Poder Atraves da Energia dos Animais - Jamie Sams/DavidCarson - ilustração de Angela C. Werneke

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Hinos para os planetas/Hinos órficos


imagem: Selene

Em minhas andanças pela Internet, encontrei mais um daqueles blogs que valem apena parar para ler com atenção, seu nome é Astrologia Tradicional.
Por lá acabei sabendo de mais essa, os chamados "Hinos Órficos" que são poesias dedicadas às divindades gregas. Os hinos são muito utilizados na magia astrológica e tem um certo ar de equivalência com os mantras usados na astrologia védica", conforme explica o autor do blog Yuzuru Izawa.

Abaixo segue o Hino órfico da Lua  "traduzido" por Yuzuru:

Escute meu chamado, Rainha Deusa, que difunde luz prateada,
com seus chifres de Touro, vagando pela noite estrelada.
Cercada de estrelas, em seu grande trilhar,
é a tocha da noite, que pelos céus vai a cavalgar.
Fêmea e Macho, com raios emprestados você brilha,
E agora, totalmente cheia, se torna míngua.
Senhora de eras, Lua produtora de frutos,
cujo disco âmbar produz a luz da Noite como seu atributo.
Esplêndida rainha da Noite, que ama os corcéis,
aquela que tudo vê, ornada com suas estrelas fiéis.
Vigilante inimiga da guerra,
busca a vida de paz e prudência eterna.
Lâmpada da Noite, da qual é amiga e ornamento,
e que dá a todas as coisas o seu correto destinamento.
Todos saúdem a Diana, Rainha das estrelas e do céu,
com seu gracioso robe e estelar véu;
Venha, abençoada Deusa, prudente e brilhante,
venha lua de casta e esplêndida luz cintilante,
Brilhe em nosso sagrados ritos com seus raios de prosperidade,
E por favor aceite nossa mistica súplica cheia de humildade.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Festival Soyal - celebrando o retorno do Sol


imagem: Kachina dolls - por Jesse Walter Fewkes

Festival Soyal dos índios Hopi, celebrando o retorno do Sol e o renascimento. A partir desta data e durante os próximos nove dias, os rapazes passavam por rituais de iniciação, a comunidade orando à Mulher Aranha, à Donzela Falcão e aos Kachinas pedindo saúde e prosperidade para o Ano Novo.
As celebrações eram feitas dentro das “Kivas”, as câmaras sagradas subterrâneas reservadas aos rituais e conselhos. Festejava-se a criação e o renascimento, anunciado pela proximidade do solstício, que trazia o aumento dos dias e da luz solar. Após cânticos e invocações às Direções, ao Grande Espírito, às Divindades e aos ancestrais, faziam-se oferendas de fubá e fumo, purificavam-se as pessoas com fumaça de sálvia e cedro e fumava-se o cachimbo sagrado. Na noite anterior, as pessoas oravam e dançavam ao redor da fogueira ao som do tambor, purificando-se, depois, na "Sweat Lodge”, a Sauna Sagrada, preparando, assim, o corpo, a mente e o espírito para um novo ciclo em suas vidas.
Guie-se por esta antiga sabedoria e faça sua própria purificação e celebração. Defume-se com sálvia, participe de uma Sauna Sagrada, reverencie o Grande Espírito, a Mãe Terra, a Vovó Lua, o Vovô Sol e todas as forças da natureza, oferecendo-lhes orações, canções, fubá e fumo. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Juno Lucina e Santa Luzia: Padroeiras da Luz

imagem: Juno Lucina por Moreau

Juno - Deusa Romana das Mulheres, do Parto e do Casamento

Protetora do casamento, do parto e sobretudo da mulher em todos os aspectos da sua vida, Juno assemelha-se à deusa grega Hera, com quem foi universalmente identificada. Juno, na mitologia romana, era a principal deusa e a contrapartida feminina de Júpiter, seu irmão e marido. Com Júpiter e Minerva, formava a tríade capitolina de divindades difundidas pelos reis Etruscos, cujo templo se erguia no Capitólio, em Roma. Recebeu vários epítetos, segundo os papéis que desempenhava, como, por exemplo: Juno Iterduca, que conduzia a noiva à nova casa; Juno Lucina, a deusa do parto, que auxiliava o nascimento das crianças; Juno Natalis, que presidia o nascimento de cada mulher; e Juno Matronalis, que protegia a mulher casada. Tornou-se um anjo da guarda feminino - assim como todo homem possuía seu "gênio", toda mulher tinha sua "juno". Sua festa principal era a Matronália, celebrada em 1º de Março, data em que mulheres casadas se reuniam e levavam oferendas ao templo de Juno Lucina. As representações de Juno variavam de acordo com o epíteto escolhido. Com maior freqüência, era representada de modo semelhante à grega Hera, de pé e como matrona de austera beleza, às vezes com características militares.


Lucina, deusa, e Lucia, santa, as padroeiras da luz 
por Mirella Faur

Lucina - ou Lucetia - era a deusa luminosa dos sabinos (povo montanhês da Itália), reverenciada em um imponente templo (erguido na colina Esquiline em 735 a.C.) e representada como uma jovem cercada de luz, segurando nas mãos uma tocha e um prato de oferendas (patera). Posteriormente foi considerada um aspecto da deusa Juno e honrada como a padroeira dos partos por propiciar o ato de “dar à luz”. Com o passar do tempo, outro aspecto de Juno - Eileithia, cultuada em Creta - assumiu esta regência nos seus aspectos de Natio, padroeira dos nascimentos e Lucina, deusa da luz. O culto de uma deusa padroeira da luz solar é muito antigo, oriundo dos países nórdicos e bálticos, que celebravam no solstício de inverno o nascimento da criança solar e honravam sua parteira, a Mãe da Luz.
Continue lendo AQUI



Fonte dos textos e imagens: 
http://yourdivineblueprint.com/2010/03/30/the-great-goddess-juno/
http://edilenemora.blogspot.com/2005/08/juno-deusa-romana-das-mulheres-do.html
http://www.saopiov.org/2010/12/13-de-dezembro-santa-luzia-virgem-e.html
http://teiadethea.org/?q=node/155
http://www.youtube.com/watch?v=CwYcS3oekNs

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Árvores que protegem

Transparência do ar, luminosidade intensa, ventos constantes, horizonte amplo e céu aberto são positivos por um lado, mas por outro podem expor-nos a vibrações magnéticas e psíquicas grosseiras.
É possível criar um campo energético vegetal protetor em torno de habitações ou em áreas muito expostas às vibrações que vêem do cosmos.
O plantio de certas árvores estrategicamente distribuídas pode criar a necessária proteção, pois seus campos magnéticos se interligam. 
Por exemplo:

Araucária (Pinheiro do Paraná)
Araucária: promove o alinhamento vertical de energias nos seres e nas áreas.
Bambu-gigante: Cria um campo de proteção espiritual individual e grupal.


Cuvitinga: Fotografia de Sérgio Campestrini - Flora RS

Capoeira-branca ou cavitinga/cuvitinga: constrói um filtro energético protetor, solar e vibracional, em torno das pessoas e em pequenas áreas. 

Cedrela
Cedrela (sinônimos populares: cedro-vermelho, cedro-batata): produz um núcleo de sutilização da vibração e das energias.

Embaúba - arvoresdesaopaulo.wordpress.com
Embaúba: interliga a rede de energias criadas nas áreas por diferentes árvores.

Guapuruvu
Guapuruvu: estabelece um campo magnético protetor na área.

Jacarandá do Cerrado
Jacarandá (sinônimo popular: jacarandá-do-cerrado): forma um "terafim" (núcleo de irradiação e de vitalização) vegetal.

Flor da Manga
Manga-sapatinho: introduz um elemento de verticalização e de vitalização cósmico-solar no solo.

Sansão-do-campo - Foto: Ian Fraser - Jardineiro.net
Sansão-do-campo: constrói uma barreira protetora, material e sutil.

Tarumã
Tarumã (sinônimo popular: cinco-folhas): gera poderoso núcleo de transmutação psíquica nas áreas.

Copaiba
Copaíba (sinônimo popular: óleo-copaíba): 
transmuta o elemento ar, cria uma campânula 
de proteção nas áreas.

Coquinho
Coquinho (sinônimo popular: coqueiro-nativo): irradia energia regeneradora, protetora e fortalecedora.

Figueira
Figueira-do-mato (sinônimo popular: figueira): alinha e eleva as energias.

Ipê amarelo - Instituto de Pesquisa e Estudos Florestais
Ipê-amarelo: desenvolve energia transmutadora do elemento terra. 

http://timblindim.wordpress.com/arvores/sangra-dagua/
Licurana (sinônimos populares: urucurana, sangra d'água, sangue-de-drago): sua irradiação transmuta o elemento líquido.

Paineira
Paineira: eleva a vibração das áreas, protege-as.


Fonte: http://reinosdanatureza.blogspot.com/p/continuacao_9758.html

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Vida além da Terra

clique na imagem

Um exoplaneta é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, desta forma, pertence a um sistema planetário distinto do nosso.Wikipédia



Universidade faz o mais completo catálogo de exoplanetas que podem abrigar vida 
Texto de Paloma Oliveto - Correio Braziliense:

O anúncio feito pela Agência Espacial Americana (Nasa) de que um planeta recentemente descoberto, o Kepler-22b, tem todas as condições possíveis para ser habitado deixou a comunidade científica em polvorosa. Isso teoricamente significa que, além de poder suportar uma eventual colonização humana, o astro teria condições de abrigar algum tipo de vida extraterrestre. Nunca se esteve tão perto de uma resposta à pergunta: “Afinal, estamos sós?”. Embora esse seja o planeta mais semelhante da Terra já encontrado, existem outros, fora do nosso Sistema Solar, que poderiam abrigar vida. Dos mais de 1,6 mil identificados ou ainda por confirmar, oito, além do Kepler-22b, encaixam-se nessa categoria. E 30 luas – incluindo a famosa Pandora, cenário do filme Avatar – também seriam habitáveis.

O mais completo catálogo de exoplanetas, aqueles que se encontram em outros sistemas solares, foi publicado pelo Laboratório de Planetas Habitáveis da Universidade de Porto Rico, em Arecibo, que os listou e fez um ranking de habitabilidade. O KOI 736.01, também identificado pelo telescópio Kepler, é o maior candidato a abrigar vida. Com uma massa praticamente igual à da Terra, esse exoplaneta está a 1.750 anos-luz de distância – muito, mas muito longe daqui. Para se ter uma ideia, se fosse possível enviar uma mensagem, à velocidade da luz, para os moradores de lá, eles a receberiam daqui a 17 séculos.

“A única maneira de suspeitarmos da existência de vida em outros planetas é lançar no espaço supertelescópios, como o Procurador Planetário Terrestre, da Nasa, ou o Darwin, da Agência Espacial Europeia”, explica ao Estado de Minas o astrofísico Stephen P. Maran, autor de oito livros sobre o Universo (no Brasil, foi editado Astronomia para leigos, da Alta Books). “As pessoas gostariam de pensar que um contato com extraterrestres ocorreria como nos filmes, mas, pela distância, é mais provável que esses equipamentos, que devem ser instalados até 2020, é que nos tragam respostas”, diz.

Continue lendo AQUI


Fontes:
http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2011/12/07/interna_tecnologia,266127/universidade-faz-o-mais-completo-catalogo-de-exoplanetas-que-podem-abrigar-vida.shtml


http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2011/12/06/interna_tecnologia,265864/nasa-encontra-o-primeiro-planeta-habitavel.shtml

http://imgsapp.em.com.br/app/noticia_127983242361/2011/12/07/266127/20111207083104808637e.jpg
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros olhares