quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Um Curso em Milagres com Carmen Balhestero - Lições de 1º a 31 de Janeiro de 2015


LIÇÕES DO CURSO EM MILAGRES - JANEIRO/2015

Em azul: Frases traduzidas do Livro de Exercícios do CURSO EM MILAGRES ( A COURSE IN MIRACLES – Foundation for Inner Peace – NY)
Em violeta: explicação do Mestre Saint Germain sobre a energia de cada dia.
Medite e reveja valores, escolhas e comece novamente, todos os dias através de pequenas mudanças diárias, mudamos o mundo

1: “Nada do que eu vejo significa alguma coisa.”
“Os olhos mostram apenas o mundo tridimensional. Quando a percepção extrassensorial é ativada, conseguis enxergar com o Terceiro Olho, na Luz da Intuição, que cria a ponte para este momento de Mudanças, e no vislumbre de uma Nova Consciência.”
Música da  1ª lição:



2: “Eu dei a tudo o que vejo — objetos e situações — todo o sentido que tem para mim.”
“De acordo com suas vibrações e bagagem mental e emocional, determinareis o valor e a importância de todas as situações da Vida. É chegado o momento de direcionar a energia existente a novas frequências de Luz.”
Música da 2ª lição: 
http://youtu.be/lzsuon_QCo0

3: “Eu não compreendo nada do que vejo.”
“A Compreensão está ligada aos ensinamentos oferecidos pela família, pelos relacionamentos e pelas escolas, mas o seu verdadeiro sentido vem da alma, do coração, da essência do amor incondicional nato que, em essência, é perfeito e tudo abrange.”
Música da 3ª lição:
http://youtu.be/ZjutASS_Md0

4: “Estes pensamentos não significam nada para mim.”
“Os pensamentos são projeções do inconsciente coletivo e não formas espontâneas de expressão individual. Cada um de vós deveis despertar a fagulha de energia na mente Crística, responsável por criar de forma independente, e não mais manter-se envolto na onda energética da massa de pensamentos cotidianos.”
Música da 4ª lição:
http://youtu.be/2kj-X5jfXUw

5: “Nunca estou triste pelos motivos que eu penso.”
“Os motivos das escolhas do inconsciente coletivo geram o conflito, dor e sofrimento. Quando assumis a responsabilidade por ancorar novas frequências de Luz, perspectivas despontam e gerais uma nova realidade individual e coletiva, superando obstáculos passados e escolhendo assumir uma nova atitude perante as escolhas de cada pensamento ou ação.”
Música da 5ª lição:
http://youtu.be/sCZcKv7JFlc

6: “Eu estou triste porque vejo alguma coisa que não está lá.”
“Os olhos físicos mostram apenas a ilusão do plano tridimensional. É chegado o momento de determinardes vossa verdadeira escolha através do caminho Uno do poder intuitivo que vem da alma.”
Música da 6ª lição:
http://youtu.be/YZis4wYEABY

7: “Eu vejo apenas o passado.”
“O mundo tridimensional é gerado pelas leis do passado e por experiências passadas. Ousai projetar o novo futuro usando criatividade, pois a mente é o berço da nova realidade individual e planetária.”
Música da 7ª lição:
8: “Minha mente está preocupada com pensamentos passados.”
“A bagagem das formas-pensamento do passado influencia todas as formas de evolução. Expandindo a mente e treinando a percepção para que observe novas direções e caminhos, reencontrareis a chama do propósito da Unidade.”
Música da 8ª lição:
http://youtu.be/Y-y0T0Hpbhg

9: “Eu não vejo nada como é agora.
“O Ser Real só enxerga na Luz da Verdade. No mundo da ilusão, o ego é responsável pelas máscaras e trapaças criadas. Treinai o silêncio e ali encontrareis todo o Poder do vosso Ser Real.”
Música da 9ª lição:
http://youtu.be/stehbERTkVw

10: “Meus pensamentos não significam nada.”
“Pensamentos padronizados no limite e valores do passado não atraem soluções para este momento. Vivenciai o Eterno Agora.”
Música da 10ª lição:
http://youtu.be/ac__nTZK8ZY

11: “Meus pensamentos sem significado me mostram um mundo sem significado.”
“O Mundo é o reflexo da projeção de crenças e de formas-pensamento. Sem a intenção de fortalecer propósitos, ninguém alcança a Perfeição.”
Música da 11ª lição:
http://youtu.be/uE5rDnGXEZs

12: “Eu estou triste porque vejo um mundo sem significado.”
“A maioria dos seres encarnados vibra na frequência do ego, que traz à tona a instabilidade. Ouvindo a pureza da alma, fareis emergir somente boas atitudes e sintonias.” 
Música da 12ª lição:
http://youtu.be/8ALBOSri_Ls

13: “Um mundo sem significado gera medo.”
“A Mente dividida ancora a frequência do medo. Quando ancorardes o Poder do significado das atitudes positivas, a realidade será transformada na Luz da Felicidade.” 
Música da 13ª lição:
http://youtu.be/RL_H5pwvPCA

14: “Deus não criou um mundo sem significado.”
“Todos os reinos — mineral, vegetal, animal e hominal — têm um propósito e, juntos, criam equilíbrio. O Homem é a forma mais evoluída da criação. Ao assumirdes a totalidade do poder individual, criareis a sua forma de expressar a pureza da alma.” 
Música da 14ª liçao:
http://youtu.be/nulDirtXuPI

15: “Meus pensamentos são imagens que eu criei.”
“Pensamentos são reflexos de formas-pensamento ancoradas nas frequências que determinam um novo tempo.” 
Música da 15ª lição:
http://youtu.be/2OpQPsaMX0w

16: “Eu não tenho pensamentos neutros.”
“Toda energia projetada cria um efeito. Mesmo a imparcialidade é uma forma de reagir à vida. O Pensamento é a forma de expressar a visão que tendes da realidade ao seu redor.”
Música da 16ª lição:
http://youtu.be/JjE7tCD3duA

17: “Eu não vejo coisas neutras.”
“Todas as manifestações são projeções da Vontade Divina, plena de Consciência em evolução.”
Música da 17ª lição:
http://youtu.be/Jfn0pTsIRiI

18: “Eu não estou sozinho quando experiencio os efeitos do que vejo.”
“Sois ímãs e atraís aquilo que emanais. A partir do seu pensamento, reencontrareis o reflexo dos pensamentos alheios, por isso a importância de, conscientemente, abraçardes a oportunidade de mudar cada energia mal qualificada, criando assim um novo tempo de Paz. Um único pensamento atinge milhões de seres e gera milhões de outros pensamentos.” 
Música da 18ª lição:
http://youtu.be/OQBEnzZoUuc

19: “Eu não estou sozinho quando experiencio os efeitos dos meus pensamentos.”
“Os sentimentos também abrangem outros seres. Cada energia criada está em ressonância com outra da mesma intensidade. Mudando a frequência de Luz individual, atingireis a totalidade da maestria.”
Música da 19ª lição:
http://youtu.be/Odg3eZi3uJA

20: “Eu estou determinado a ver.”
“Sois livres para escolher mudar. Quando o livre-arbítrio aponta a decisão de fluir em outra sintonia, a Vida reflete a Graça Eterna de Ver com os olhos do Amor Incondicional.”
Música da 20ª lição:
http://youtu.be/vE9z5_dmGek

21: “Eu estou determinado a ver coisas de forma diferente.”
“Quando uma decisão se apóia na vontade da alma, a mudança verdadeira ocorre.”
Música da 21ª lição:
http://youtu.be/cbHDgNMCtyk

22: “O que eu vejo é uma forma de vingança.
“O inconsciente coletivo escolhe viver o ego — dor, limite e sofrimento —, o que gera um círculo vicioso. Elevando vossas frequências de Luz a patamares mais altos e mergulhando no Poder da Intuição centrado na alma, não mais caireis nas armadilhas do ego-personalidade.”
Música da 22ª lição:
http://youtu.be/YfUh8834HYc

23: “Eu escapo do mundo que eu vejo desistindo dos pensamentos de ataque.”
“Quando, conscientemente, mudardes o padrão da frequência de vosso pensamento, isolareis das formas-pensamento das massas e criareis uma nova alternativa de atrair do éter — do prana sutil — novas co criações.” 
Música da 23ª lição:
http://youtu.be/wp9m9ZYLiFs

24: “Eu não percebo os meus maiores interesses.”
“A análise superficial dos fatos não enxerga a essência de cada ser. Buscai a força em vossa alma e reencontrareis todo o Poder da vossa Consciência Crística.” 
Música da 24ª lição:
http://youtu.be/h31_LCY9Ncc

25: “Eu não sei para que servem as coisas.”
“O saber verdadeiro vem da alma e não do cérebro. Buscai a conexão exata com a pureza do coração e do amor intuitivo e vossa vida será o resplandecer do mais puro amor em ação.” 
Música da 25ª lição:
http://youtu.be/rcoAhzlLSHY

26: “Meus pensamentos de ataque atacam a minha invulnerabilidade.”
“Energias limitadoras aprisionam. Saltando para uma nova frequência, reencontrareis o bálsamo do Poder da Unidade mergulhando na Mente de Deus”.
Música da 26ª lição:
http://youtu.be/rkRdwP8FL8c

27: “Acima de tudo, eu quero ver.”
“Pela visão da alma, enxergareis a Verdade que reflete a essência do vosso Santo Ser Crístico em ação.” 
Música da 27ª lição:
http://youtu.be/dUjy_drspVc

28: “Acima de tudo, eu quero ver coisas de forma diferente.”
“Mesmo que o mundo apresente situações adversas à Perfeição de Deus, a alma clama por ver e viver a Perfeição.”
Música da 28ª lição:
http://youtu.be/Ubr_TZahBJY

29: “Deus está em tudo o que eu vejo.”
“A essência Divina respira em cada forma da Criação.Alinhados ao Poder de Deus, todas as formas externas refletem a grandiosidade da Perfeição Divina.”
Música da 29ª lição:
http://youtu.be/jc5sEILl96s

30: “Deus está em tudo o que eu vejo porque Deus está na minha mente.”
“A Centelha Divina é Onipresente. Quando vos harmonizardes com este princípio, atingireis o poder da multidiversidade, que corresponde a ser uno com várias frequências de Luz simultaneamente. Com novos olhos, devereis enxergar Perfeição em Tudo, e a Perfeição será uma realidade em vossas Vidas agora.”
Música da 30ª lição:
http://youtu.be/pYAMz0IrB-M

31: “Eu não sou uma vítima do mundo que vejo.”
“A postura de ser vítima da Vida é uma escolha do ego-personalidade. As leis ditadas pelas massas geram apego, limite e sofrimento. Erguei-vos, conscientemente, acima do mundo aparente, e deparai com a imensidão da completude de Deus Onipresente, que tudo abrange e cura. Nesta sintonia, manifestareis alegrias, felicidade e Milagres.”


OUÇA AS 31 LIÇÕES NA VOZ DE CARMEN

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Simbologia do número 8

 O número do equilíbrio, da justiça e da renovação

imagem: A roda da fortuna com 8 raios - Mosaico Catedral de Siena

Assim como o 8º dia da semana inicia a nova semana, a escala musical retorna ao início com a oitava, o oitavo som, da mesma maneira o 8 simboliza um novo começo num plano mais elevado. Ele é a fronteira, o elo, o intermediário para uma esfera ou um mundo melhor, maior, ou mais elevado. Esse simbolismo apresenta-se também na estrela de oito pontas e no octógono. Em analogia ao 4, o quadrado representa tudo o que é terreno; o círculo representa a esfera celeste e, por sua vez, o octógono representa, de uma maneira evidente,  linha intermediária entre esses dois mundos.
imagem:Teto da Catedral Ely  - Inglaterra
Essa transição do quadrado terreno para o círculo divino é vista em muitas igrejas, onde, por cima do cruzeiro, ergue-se um octógono sobre o qual encontra-se a abóbada celeste. Como intermediário entre o quadrado e o círculo, o octógono simboliza o limiar até o qual, nós, na Terra, podemos nos aproximar do divino, do eterno e do ideal, e também o quanto os Céus são benevolentes conosco.
Por isso, o 8 tornou-se tão importante no Cristianismo. Ele simboliza o próprio Cristo, cujo nome, em grego, tem o valor numérico 888 (*), sobretudo por ele ser o intermediário entre Deus e os homens, e a sua ressurreição ser celebrada como o oitavo dia da criação, com o qual um novo tempo, uma nova aliança (Novo Testamento) se inicia.
A estrela de Natal que anuncia o nascimento de Cristo também lembra esse simbolismo, e tem tradicionalmente oito pontas. Também as oito pessoas que sobreviveram ao dilúvio na Arca de Noé, segundo o relato bíblico, expressam a ideia de um recomeço. Será essa a razão de o número 8 ser considerado um número de sorte e a roda de oito raios ser a roda da fortuna?
imagem por: Nicole d'Oresme (c. 1323-1372) -
Le livre du Ciel et du Monde, Paris, BnF, Manuscrits, Fr. 565, f. 69, (1377)

O oito era considerado, já na Antiguidade, uma meta merecedora de esforços para ser alcançada. No caminho para a salvação a alma tem de passar pelos 7 céus dos 7 planetas, até chegar à oitava esfera, o firmamento, onde habitam os deuses. Esse simbolismo é encontrado, entre outros, no panteão romano, uma construção circular, na qual o octógono é marcado por nichos distribuídos nos outo ângulos.

O octogonal Castel Del Monte cercado por 8 torres
A ligação estável entre dois mundos, como o Céu e a Terra, este mundo e o além, o tempo e a eternidade, é representada visualmente pelo 8 deitado, a Lemniscata ().
Este símbolo da eternidade também ilustra o princípio hermético " o que está em cima é como o que está embaixo", que corresponde no Cristianismo ao "assim na terra como no céu". Por outro lado, diz-se também que o oitavo dia não tem fim, pois Cristo ressuscitou no oitavo dia da semana, e com isso abriu a porta da eternidade para a humanidade.
O simbolismo do oito como transição também é conhecido em outras culturas como um novo começo num nível mais elevado, e como libertação ou ascensão. 

imagem: Ogdóade
No mito egípcio da criação de Hermópolis, quatro casais de deuses, a Ogdóade (agrupamento de 8 divindades), personificam as forças primordiais que formam o princípio de tudo. No Judaísmo, a circuncisão é feita
no oitavo dia após o nascimento, e simboliza, assim como no bastimo no Cristianismo, a aliança com Deus.
No Budismo, existem quatro nobre verdades, com as quais os sofrimentos do mundo são descritos, e os oito caminhos, que libertam o homem dessas dores.


Odin montado em Sleipnir

Na mitologia nódica, Odin, o pai dos céus, é levado por Sleipnir, seu cavalo de oito patas, em sua viagem entre o Céu e a Terra. 
Desde o tempo de Pitágoras, o 8 é considerado o número da justiça, por se deixar dividir sempre em partes  iguais. 


imagens: Marseilles Fournier Tarot Decks  e   Raider-Waite Tarot

Por essa razão, a justiça sempre ocupou tradicionalmente o 8º lugar nos Arcanos Maiores do Tarô, como no de Marselha, até que, com o lançamento do Tarô de Rider-Waite em 1909, houve uma mudança na numeração e a justiça foi empurrada para o 11º lugar.
O oito também é conhecido como um símbolo de justiça entre os povos germânicos. Consta que a sua "Femergericht", a Liga da Corte Sagrada, era formada por oito (acht em alemão) juízes, os ächten ou echten a quem se devia respeito. Eles tinham o direito de sentenciar o acusado e declará-lo fora da lei e sem direitos. Essa sentença era conhecida como "marcar com o oito". Desse costume surgiu uma sentença que o Império Alemão pode promulgar até 1806.
A associação de justiça com o lado direito não é comum apenas na língua alemã. A palavra francesa droit e a inglesa right também significam direito e direita. Com isso, essas e outras línguas nos lembram que a jurisdição é uma expressão do lado direito e consciente, cuja tarefa consiste e, fazer um julgamento consciente, bem pensado, justo e fundamentado.
Mais interessante ainda é o fato de o despertar da consciência também ser expressado por meio do oito. Em várias línguas européias, a diferença entre a palavra "noite" - um símbolo do inconsciente - e a palavra "oito", consiste apenas ma perda do "n" no início da palavra, com o qual, nessas línguas começa a palavra "não", que por sua vez, faz parte do âmbito simbólico do inconsciente:

Alemão e Holandês = nacht  e acht
Inglês = night e eight
Francês = nuit e huit
Italiano = notte e otto
Espanhol = noche e ocho
Português = noite e oito
Latim = nox e octus
Sueco/Norueguês = natt e atta

Dessa maneira todas essas línguas "lembram" que o oito é a expressão da noite libertada no "n negativo", e com isso ele personifica o novo dia e o despertar da consciência.

(*)Número 888 - Valor numérico da palavra grega para Jesus (ΙΗΣΟΥΣ):
Ι (Iota) = 10, Η (Eta) = 8, Σ (Sigma) = 200, Ο (Ômikron) = 70, Υ (Ípsilon) = 400 Σ (Sigma) = 200. Já que o 8 é, notoriamente, um numero de Cristo, o 8 triplo é considerado também, um simbolo seu.



Vale conferir:

Fonte: Trechos do livro Simbolismo e o significado dos números por Hajo Banzhaf - Ed. Pensamento

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Saturnália - Doze dias brancos, treze noites sagradas

Escultura Saturnália de Ernesto Biondi, 
localizada no Jardim Botânico de Buenos Aires

Doze dias brancos, treze noites sagradas

A aproximação do final do ano encena o período mítico de transição do caos para a criação, encontrado em vários mitos. O intervalo entre o solstício de inverno e o Ano Novo era celebrado em várias culturas antigas do hemisfério Norte, desde a Babilônia, como “os doze dias brancos”, caracterizados pela ambigüidade, representando um conflito entre caos e ordem, bem e mal, fim e recomeço, festas e recolhimento.

Os romanos celebravam Saturnalia, festejos populares que invertiam as regras sociais, aboliam as leis morais e as diferenças de classe e enalteciam o lazer e o prazer. Após purificações, o último dia - 25 de dezembro - chamado Juvenalia, era dedicado às crianças, com brincadeiras e presentes, por elas representarem o potencial do novo ciclo.

Nos países nórdicos simbolizava-se a parada da Roda do Ano no solstício (quando por três dias o Sol parece que está “parado”), cessando o trabalho, retirando as rodas dos veículos e decorando-as com galhos de pinheiros e velas. Durante os ”doze dias” as deusas Holda, Berchta ou Perchta (as “Senhoras Brancas”) conduziam suas carruagens de vento e neve, envoltas em neblina branca, abençoando e ativando a fertilidade da terra, presenteando trabalhadores e punindo preguiçosos.

Lendas e contos de fada germânicos descrevem as Weisse Frauen como elfos vestidos de branco, criaturas lindas e encantadoras, que apareciam durante dias ensolarados, penteando seus longos cabelos dourados e conferindo riquezas aos merecedores.As “Senhoras Brancas” ou “Mulheres Elfo” são resquícios dos antigos arquétipos das deusas, que, por terem sido proibidos pelo cristianismo foram esquecidos, sobrevivendo apenas no folclore. Nos países saxões e eslavos, as últimas reminiscências das bênçãos antigas eram representadas por procissões (Perchtenlauf) entre Natal e Epifania, de pessoas com máscaras brancas e pretas, representando Perchten ou Perchta Baba (espíritos bons e maus), para atrair a sorte, afastar azares e despertar a terra.

Nos tempos antigos as mulheres não trabalhavam nos doze dias, mas depois podiam parar apenas no dia de Santa Luzia (13/12) e de Santa Catarina (25/12). Ambas as santas são versões cristãs de antigas deusas romanas. Lucina era a deusa da luz, que aparecia vestida de branco, com uma coroa de velas na cabeça, trazendo comida e calor para os pobres nos meses de inverno. Santa Catarina é a versão cristã de Feronia, a deusa do fogo e da energia vital, celebrada com procissões sobre brasas acesas, para purificação e cura.

Nas antigas tradições da Deusa os “doze dias” eram originariamente ”treze noites sagradas”, celebradas apenas por mulheres, com rituais iniciados na lua negra que antecedia o solstício ou na sua véspera, no auge da escuridão. Era um período mágico de recolhimento e fortalecimento feminino, comparável aos mistérios da Lua Negra, ao retiro nas Tendas Vermelhas, às horas misteriosas que antecedem o nascer do Sol, ao momento da morte ou do nascimento. Neste tempo mágico e poderoso “sementes” de novas possibilidades eram semeadas, no silêncio e na introspecção da escuridão.

Mesmo que o nosso apressado ritmo moderno e urbano não nos permite um dia de reclusão, podemos dedicar algumas horas para um curto retiro do mundo real. Apagar luzes, desligar telefones, ficar em silêncio e escuridão, meditando e orando, nos proporciona a atmosfera mágica para refletir sobre o ano que passou e traçar planos futuros. Após rever o passado e descartar aquilo que não nos serve mais, podemos consultar um oráculo e preparar uma lista dos nossos projetos, desejos e aspirações para nossa vida afetiva, profissional e espiritual. No antigo México as mulheres preparavam nesta data miniaturas daquilo que esperavam realizar, criando o “altar dos desejos”, orando diariamente na sua frente. Podemos nos inspirar neste antigo costume e criar mandalas com sementes, contas, conchas, penas, desenhos, colagens, argila.

Para representar o limiar de um ciclo para outro pode ser escolhida outra data em lugar do tradicional Ano Novo, como a Lua negra ou cheia de dezembro, o solstício, o primeiro dia de janeiro, ou a antiga comemoração da deusa Befana (5 de janeiro, atual Epifania), que marcava a última noite das antigas Treze Noites Sagradas.

O importante é reconhecer e honrar o giro da Roda do Ano, na sua dimensão sagrada, agradecendo e se despedindo das realizações, aprendizados, alegrias e dores do ciclo que se finalizou, visualizando e agradecendo antecipadamente a manifestação dos novos projetos, possibilidades, desejos e idéias do ano que se inicia.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Tão belo quanto breve

Surgiu de repente durante uma chuvinha fina...


 Encanto da natureza...

 que se desfez, tão rápido quanto surgiu.
Antes mesmo de eu terminar este post!
Valeu pela breve beleza:)
Obrigada, arco-íris por enfeitar nosso fim de tarde.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Baraka - um mundo além das palavras

“Baraka é um documentário que parte de uma antiga palavra com significados em várias línguas. Pode ser traduzida como benção, sopro ou essência da vida, de onde se desencadeia o processo da evolução do mundo. O filme revela o quanto a humanidade está interligada, apesar das diferenças de religião, cultura e língua dos povos. Um verdadeiro poema visual sem narração ou legenda, somente imagens e sons cuidadosamente capturados e articulados através de uma montagem expressiva, o que faz com que cada tomada adicione a próxima outro significado, cujo tema é… Afinal, do que se trata Baraka? Acredito que cada espectador do filme veja um tema diferente. Ele pode ser sobre a força do planeta Terra. Pode ser sobre as múltiplas diversidades que nos unem. Pode ser muita coisa.

 Baraka é uma reprodução visual da ligação humana com a Terra”.




Fonte:http://mundocogumelo.com/documentarios-completos/baraka-documentario-completo/

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Dierbahood - arte nas ruas da Tunísia

150 artistas transformam muros e ruas de vilarejo da Tunísia
Artistas-grafiteiros de 30 nacionalidades fizeram dos espaços de Er-Riadh uma grande galeria


por Hellen Leite - Correio Braziliense

A vila de Er-Riadh fica fora do circuito turístico da ilha de Djerba, localizada na Tunísia. No entanto, a pequena cidade recebeu 150 visitantes de 30 países para participar do projeto Dierbahood, uma exibição massiva de arte de rua que usou as paredes e ruínas do vilarejo como galeria de arte. Os brasileiros Walter ‘Tinho’ Nomura e Herbert Baglione estão entre os artistas que participaram do projeto.




O fundador da Galeria Francesa Itinerante, Mehdi Ben Cheikn, organizador do evento, conseguiu autorizações governamentais e dos donos de propriedades privadas para dar início ao projeto. Em Er-Riadh, muçulmanos, cristão e judeus vivem em paz há mais de dois mil anos. De acordo com Cheikn, este aspecto pacífico é algo a ser exaltado na mostra.



Confira a galeria de imagens:

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Do céu para a Terra

Adoro gente criativa que traz para perto de nós, as belezas que gravitam lá no céu.
Confira!


Enfeites de Natal
Mercúrio, Vênus,Terra,
Marte, Júpiter, Saturno,
Urano, Netuno e Plutão.
Destaque especial para Júpiter, a casa dos sagitarianos* e piscianos
(*me incluo nesta:))

Conjunto de copos e pratos




Colares por aptoArt
Colar de Saturno
Saturno...
Nada mal para 2015!

Colar de Plutão e suas luas


Para fechar, vamos viajar pelo espaço.
Andarilhos


domingo, 30 de novembro de 2014

Amor pelos felinos

Gatos conquistam os belo-horizontinos que querem um animal em casa
Apesar do aumento do interesse pelos bichanos, muitos ainda são abandonados e maltratados, principalmente os de pelo preto




“Com um lindo salto, leve e seguro, o gato passa do chão ao muro. Logo mudando de opinião, passa de novo do muro ao chão.” Os versos de Toquinho descrevem bem a personalidade dos felinos, que têm, cada vez mais, conquistado os belo-horizontinos. Na percepção de gateiros, termo que designa quem não só ama, mas cuida e ajuda a desconstruir mitos associados aos felinos, há um crescimento no número de pessoas que os escolhem como bicho de estimação. A violência e o abandono ainda são muito frequentes, principalmente com os de pelo preto, mas também aumentou a ação de voluntários que lutam para que haja uma política de proteção dos bichanos.

De acordo com o último censo, feito em 2013 pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), a capital mineira tem cerca de 55 mil gatos, uma população que corresponde a um quinto da população canina, de cerca de 275,6 mil. “As pessoas estão aprendendo a conviver com os gatos. Estão percebendo que é um mito a percepção de que são animais traiçoeiros, que gostam apenas da casa e não gostam do dono”, afirma a presidente da organização não governamental (ONG) Basta Adotar, Mailce Mendes.

Eliot, Hugo e Atlas são companheiros da cientista política Elaine Gontijo, de 28 anos, e de seu marido, o professor do Departamento de Ciência Política da UFMG Fernando Filgueiras. Na infância e adolescência, Elaine teve cachorros em casa. Mas, ao ir morar sozinha quando adulta, percebeu que o gato seria a melhor opção para quem tinha uma rotina atribulada. “Antes, tinha a impressão que gatos eram traiçoeiros e não gostavam de gente, mas logo percebi que são mitos.” Ao vir para Minas, ela trouxe o bicho de estimação, que também foi junto depois do casamento. Um dos acordos para a união foi garantir a adaptação de Eliot, adotado em Brasília por ela, ao convívio com Hugo e Atlas, que foram escolhidos em BH por Fernando.

Cr
Elaine está grávida e é dona de Hugo
e outros dois bichanos
Para ela, os felinos são mais independentes e cuidar deles é mais prático. “São apegados, carinhosos e dão menos trabalho”, diz. O trio faz as necessidades fisiológicas sempre em um mesmo lugar. Basta colocar areia em um ponto da casa. Se o casal tiver que fazer uma viagem curta, de quatro a cinco dias, eles ficam sozinhos sem entrarem em depressão. Basta deixar ao alcance comida e água. 
Outra vantagem é que os gatos costumam limpar a si próprios com lambidas, o que faz com que seja uma opção, e não uma obrigação levá-los para tomar banho em petshops. “Optamos por dar banho uma vez por mês, mas nem precisava, porque eles mesmos se limpam. Lambem a si próprios e uns aos outros”, pontua Elaine. Outro mito na avaliação dela é a relação com gestantes. O fato de estar grávida não mudou a proximidade com os felinos. “Hugo foi o primeiro a descobrir que estava grávida. Quando estava de duas semanas de gravidez, ele subia no meu colo e afava minha barriga. Já apaixonado pelo Pedro antes mesmo de ele nascer”, lembra.

Quem tem gatos de estimação costuma adotá-los. Foi o caso do professor do curso de história da UFMG Luiz Carlos Villalta, de 52. Dos três gatos que tem, dois foram adotados. Cleópatra e Ninho foram abandonados na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich), no câmpus da Pampulha. O amor pelos felinos veio também na fase adulta. “Sou de uma família que incentiva o preconceito com os gatos. Meu pai detestava gatos e ensinou a mim e a meu irmão odiá-los, porque matavam passarinhos”, lembra. 

APEGO
Os gatos abriram pouco a pouco espaço na vida de Villalta. O primeiro contato para desmitificar ocorreu em São Paulo, quando o professor ficou hospedado na casa de um amigo. “Os gatos dele iam dormir comigo”, diz. Na casa de uma amiga em Coimbra, em Portugal, a situação se repetiu. “Eles eram muito apegados a ela, que tinha muito ciúme deles. Mas também escolheram dormir comigo.” O momento decisivo foi há dois anos, quando um amigo lhe pediu para tomar conta do gato. “Relutei, mas aceitei. Esse gato é o Romão, que está comigo até hoje. Nunca devolvi.”
A relação que os donos desenvolvem com os felinos é diferente da que se estabelece com os cachorros. Quem tem gatos garante que os animais são mais independentes, mais livres. Apesar disso, é aconselhável ter pelo menos dois, para que não se sintam sozinhos. “Romão era muito sozinho, imperial. Demandava muita atenção, então achei que era necessário encontrar uma fêmea para ele.” Depois de uma tentativa que não deu certo, Villalta encontrou Cleópatra. Depois de um período de adaptação, que durou dois dias, a gata tornou-se amiga de Romão. “Ela era muito pequenina, mas reagia e o enfrentava. No final do segundo dia, estavam pacificados. No terceiro, já eram amigos.”
 
Outro mito em relação aos gatos que o professor procura desconstruir é que eles não se dão bem com cachorros. Ele também adotou Sophia, uma lhasa apso abandonada nas ruas pelo antigo dono. “Ela estava esquálida, abandonada. Fiz uma bateria de exames para saber se estava doente, divulguei foto para tentar encontrar o dono. Mas não o localizei.” Os três gatos e a cadela convivem em harmonia. “O amor do cachorro é absoluto. Com o gato é um sentimento condicional. Depende da relação que o dono estabelece com ele.”

ADOÇÃO E CASTRAÇÃO
Para adotar um animal, o interessado deve comparecer ao Centro de Controle de Zoonoses

Se o animal for filhote, é necessário aguardar que o animal seja desmamado

O prazo pode ser de até 45 dias. 
Os interessados podem ligar para (31) 3277-7411 ou para (31) 3277-7413

Para castrar seu animal entre em contato com:

Centro de Controle de Zoonoses
Rua Edna Quintel, 173 - São Bernardo
Telefone: (31) 3277-7411 e (31) 3277-7413

Centro de Esterilização de Cães e Gatos Noroeste
Rua Antônio Peixoto Guimarães 33 - Caiçara
Telefone: (31) 3277-8448

Centro de Esterilização de Cães e Gatos Oeste
Rua Alexandre Siqueira 375 - Salgado Filho
Telefone: (31) 3277-7576

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Manifesto Rosacruz em PDF


Após 400 anos de intervalo, depois de ter lançado no século XVII três manifestos que abalaram a Europa, a Ordem Rosacruz publicou um Quarto Manifesto no século XXI, o Positio Fraternitatis Rosae Crucis (A Posição da Fraternidade Rosacruz), lançado mundialmente em 2001 e que desde então circula por todos os continentes. 
Neste raro documento, com surpreendente lucidez e sabedoria, a Ordem revela sua posição mística a respeito da situação do mundo atual em várias áreas, como religião, política, economia, ciência, arte etc. 
Trata-se de um documento que deve ser divulgado livre e amplamente, a fim de que o maior número possível de pessoas dele tomem conhecimento e possam refletir.
Para ler em PDF acesse:

Para adquirir gratuitamente um ou mais exemplares impressos deste Manifesto, envie um e-mail para orgafil2@amorc.org.br.
http://www.amorc.org.br/quem-somos.html

Onde vi 1º:  https://www.facebook.com/gena.teresa.3

sábado, 22 de novembro de 2014

4.6 = uma menina bem comportada

Antes que o dia termine, deixo um registro desta data especial:
22 de Novembro!


Feliz aniversário para todos nós "novembrinos..."
sagitarianos ou não:)

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Os disfarces de Saturno

imagem: Father Time por Edmund Dulac, 1882-1953

por Paula Salotti

Saturno... Sempre presente nos momentos mais importantes: quando somos convidados a crescer, aprender, evoluir.
Aqueles que conhecem um pouco de Astrologia sabem que Saturno é associado a tudo que nos limita. Está nas pedras que encontramos pelo caminho e nas lutas para conquistar um pouco mais de espaço.
Tradicionalmente considerado um planeta maléfico, hoje reconhecemos sua importância e sabemos que é graças ao princípio “Saturno” que podemos estar erguidos, tanto física quanto psicologicamente: assim, no nível físico Saturno rege toda substância que se calcifica e se cristaliza, mantendo a forma e estrutura do corpo (dentes, ossos e pele), e no nível psíquico liga-se à estrutura psíquica e à noção de realidade.
Quando se apresenta na vida, Saturno recorre a inúmeros disfarces, todos eles facilmente reconhecíveis pelo incômodo que causam à primeira vista. É o velho sábio que conhece a hora certa, o momento adequado e a dosagem exata das experiências. Como o “senhor do karma”, imparcial e justo, não hesita em aplicar correções nos seus alunos. O encontro com Saturno ocorre de uma forma notável através de ciclos de sete anos a sete anos e meio. Nestes períodos, recebemos a visita deste mestre em nossa vida.
Jung em sua sabedoria, observou que as mais importantes crises psicológicas ocorrem neste ciclo de sete anos. Também no nível físico, a cada sete anos as células do corpo se renovam (com exceção das nervosas), como se a foice estivesse entrando em ação, nos dando a oportunidade de eliminar todo o supérfluo e renovar, mantendo o essencial. Estes ciclos abrem caminhos para o crescimento de uma nova realidade, mais adequada à constante evolução da alma.
Nesses períodos, Saturno pode vestir-se de cobrador, batendo em nossa porta com o amontoado de dívidas que fomos acumulando e prorrogando o pagamento. É também nestes momentos que Saturno, disfarçado em alguma forma de autoridade, impede que avancemos, exigindo que a velocidade em que vínhamos cruzando os caminhos da vida seja reduzida, para que possamos sentir o tempo, valorizar o que temos e sentir a angústia pelo que ainda não realizamos. É comum que o ritmo da vida seja diminuído e demoras, atrasos e bloqueios passem a fazer parte de nosso cotidiano. A demora simboliza uma chance para que aperfeiçoemos nossos talentos e capacidades. Se algo não se apresenta no instante em que surge o desejo, não é sinal de negação da vida, mas que ainda não estamos preparados o suficiente.
No seu disfarce de censor ele se coloca pesadamente sobre nossos ombros, cochichando em nossos ouvidos todas as nossas fraquezas, imperfeições e inseguranças. Nesses momentos, podemos mergulhar na mais profunda depressão, advindo daí a paralisia e a sensação de incapacidade para encarar o novo. Aqui, o importante é reconhecer que, em certos casos, o medo pode ajudar, já que nos faz reconhecer nossas incapacidades.
Vestido de professor ou juiz, ele avalia onde não “fizemos perfeito” e a repetência pode vir em conseqüência. Toda vez que Saturno nos obriga a voltar atrás, refazer e recomeçar (movimentos comuns nesses períodos), devemos encarar a situação como uma nova chance que se apresenta, onde iremos percorrer novamente o mesmo caminho, mas com maior dedicação e competência.
Saturno em suas visitas também pode nos presentear, mas neste caso costuma vir fantasiado de “grego”. Isso mesmo, trazendo aquilo que chamamos de “presente de grego”. Neste caso, podemos ter duas atitudes: a primeira é ignorar o presente, reclamar da vida com revolta e continuar de braços cruzados, esperando que algo melhor caia do céu. A segunda, bem ao gosto de Saturno, consiste em arregaçar as mangas, trabalhar e investir naquilo que mais parecia um empecilho. Com certeza, ao final do ciclo, aquele que lutou e acreditou, venceu e recebeu a recompensa. Enquanto isso, aquele que vivenciou o lado mais negativo de Saturno - o pessimismo, a insegurança e a reclamação - termina o período com uma nova dívida nas mãos, ou com o seu certificado de repetência.
Saturno, na verdade, pretende nos dar o melhor dos presentes, a melhor das recompensas. Mas, para isso, é necessário que nos empenhemos com trabalho, disciplina, perseverança e jamais estagnação. Assim, além de colhermos o resultado concreto dos nossos esforços - a solidez, o lucro - obteremos o que ele pode nos dar de mais valioso, que é a confiança em nossas capacidades e a certeza de nosso valor. Quando nos momentos críticos apontados por Saturno sentirmos o desejo de parar, de desistir, de voltar atrás, é que é a hora de investirmos mais, de nos lançarmos com mais força e entusiasmo, e com certeza o resultado final mostrará que valeu a pena. Aquele que desiste nega a tarefa que veio cumprir. Nega chegar ao encontro do mestre.
Por detrás de todos disfarces de Saturno está a figura do pai, bondoso e justo, que pensa verdadeiramente no progresso do filho. Para isso, trata-o com rigor e submete-o a provas, para que o amado filho possa, um dia, subir a montanha da vida e, a partir do cume, admirar o espaço que conquistou com seu próprio esforço.


Fonte:
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=542058732480922&set=a.190825594270906.40821.100000304005185&type=1&theater


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Super-heróis, super elegantes!

A fotógrafa Sacha Goldberger criou um visual chique e elegante para os personagens dos quadrinhos.
Escolhi algumas fotos para postar e como não poderia ser diferente, a minha favorita foi a Mulher-Gato.








Confira todas em

domingo, 16 de novembro de 2014

Aleijadinho: o divino sopro da arte

Nos 200 anos sem Aleijadinho o mestre do Barroco Mineiro, o Portal Uai e o Jornal Estado de Minas preparam um roteiro para que você possa conhecer obras do mestre em dois dias de viagem, em 4 cidades próximas a capital Belo Horizonte. 
Assista esta viagem e inspire-se para um próximo passeio cultural.

 

Clique nos links para ler a série de reportagens:









Fonte:

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Oráculo da Iluminação

Queria atualizar o blog hoje mas não tinha ideia de como fazê-lo. 
Depois de muita busca e sem perspectiva de algo que valesse à pena postar, acabei encontrando no Yoga Journal o belíssimo Oráculo da Iluminação.
Segue abaixo a carta que sorteei.
Coincidência?? Creio que não.
Logo abaixo seguem os textos das outras cartas e se quiser conhecê-las, visite o site no link acima.


Hoje pode ser um grande dia! Se você foi guiado para ler esta carta, algo mágico e inesperado espera você num momento próximo. O Mago Merlin está guiando uma jovem no seu caminho espiritual, ao seu lado está um anjo que a protege e acompanha todas as suas aventuras terrenas, este anjo representa o anjo pessoal de cada um de nós, a nossa essência divina mais pura e eterna.
Merlin representa os poderes ilimitados do espírito, aquela consciência mágica que nos guia para podermos viver nossos sonhos sem medo, ele nos apresenta vários desafios durante nosso caminho para nos fortalecer através das nossas escolhas e nos convida a tomar nosso poder para podermos manifestar a nossa missão. Aqui o bastão de poder na mão da jovem representa a sua coragem e escolha de seguir o caminho do espírito. As ondas do mar mostram as emoções fortes de um passado que é necessário libertar e a floresta verde e misteriosa abre as portas para um novo caminho na sua vida.
Ao receber esta carta, se prepare para começar uma nova vida, uma vida guiada por seu espírito, sem limites. Dê um passo de cada vez, confiando na magia que habita seu interior, deixe os medos e limitações para trás confie na sua visão interior e se abra para um novo mundo que acaba de se abrir para você!
O Merlin e o Anjo estão aqui para confirmarem que você sempre está acompanhado no seu caminho espiritual, só necessita de coragem e verdade para tomar seu poder e realizar sua missão. A escolha é sua e é hoje o momento de escolher.



Visite também:
http://www.caminhodailuminacao.org/


sexta-feira, 7 de novembro de 2014

A Deusa Thea


"Mãe de Hélios, Grande Thea, deusa de tantos nomes, graças a Ti os homens atribuem ao ouro um poder acima dos outros metais. Senhora, impeça com a Tua força de luz os combates dos navios e das carruagens, que se enfrentam como rivais para receberem o cobiçado troféu da gloria dourada..."
 - Pindar, Ode à Thea, século 5 a.C.



O nome da deusa pré-helénica da luz, mãe dos luminares e da aurora ficou conhecido como simplesmente Thea, equivalente de Deusa.

Apesar da sua importância arcaica, nada ficou registrado sobre seu culto ou mito; assim como outras antigas deusas gregas, Ela foi substituída pelas divindades dos invasores indo-europeus permanecendo oculta nas brumas dos tempos.

Sabe-se apenas que Ela fazia parte da raça antiga dos Titãs, sendo filha de Urano, o deus celeste e Gaia, a Mãe Terra, irmã de Anfititre (ou Tetis), Dione, Fibe, Mnemosine, Rhea e Têmis. Reverenciada como Senhora da Luz – Aetra ou Thea-, regente do céu claro, do éter (aithre) e da luz dos olhos (thea), era também honrada como Eurifessa, “a toda resplandecente”, regente do brilho do ouro, da prata e das pedras preciosas.

Da sua união com Hyperion, o deus da luz, nasceram três filhos luminosos: Hélios, o Sol, Selene, a Lua e Eos, a aurora.

Reverenciada como Ichnaea, “Aquela que descobria” ou Theia, “Mãe da inspiração divina” (theiazô significava divinação ou profecia), Thea tinha um templo oracular em Tessália, assim como suas irmãs, também deusas oraculares, tinham os seus: Phoebe em Delphi, Mnemosine em Lebadeia, Dione em Dodona e Têmis desfrutando de todos estes altares.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Após 125 anos, desenhos originais da bandeira do Brasil são achados numa caixa

Os dois preciosos documentos, símbolos do início da república no país, estavam guardados na sede da Igreja Positivista, na cidade do Rio de Janeiro

http://capitaojacksonredevizinhos.blogspot.com.br/2012/06/troca-do-pavilhao-nacional-evento.html
imagem: Bandeira do Brasil - Praça da Bandeira BH


Dois papéis históricos de valor inestimável acabam de ser descobertos no Rio de Janeiro. São os rascunhos que deram origem à bandeira do Brasil, riscados pelo engenheiro Raimundo Teixeira Mendes em novembro de 1889, após a proclamação da república.

Esboço da Bandeira Nacional feito em papel quadriculado, em novembro de 1889, pelo engenheiro Raimundo Teixeira Mendes. Material acaba de ser descoberto na Igreja Positivista do Brasil, no Rio

Nos papéis é possível ver a esfera, as estrelas e os dizeres "Ordem e Progresso". O primeiro é um papel milimetrado, que permitiu a Teixeira Mendes posicionar e dimensionar cada estrela com precisão. O segundo é um papel vegetal, onde estão os traços definitivos.

Versão final da esfera da Bandeira Nacional em papel vegetal, desenhada em novembro de 1889 pelo engenheiro Raimundo Teixeira Mendes. Material acaba de ser descoberto na Igreja Positivista do Brasil, no Rio
Os desenhos estavam na centenária Igreja Positivista, no bairro da Glória, esquecidos dentro de uma caixa. Foram descobertos por acaso, quando se limpavam os armários do último presidente da igreja, que morreu em julho. Os papéis estão nas mãos de restauradores. Quando o trabalho terminar, serão expostos ao público. "Encontramos um tesouro que pertence a todos os brasileiros", afirma Alexandre Martins, atual presidente da instituição religiosa.

O material estava na igreja porque o positivismo exercia forte influência sobre os intelectuais brasileiros do final do século XIX. Criado pelo francês Auguste Comte, o positivismo faz uso da ciência para explicar o mundo. Hoje ultrapassada, essa visão era vanguardista para a época.

Foi o positivista Benjamin Constant, ministro da guerra do novo regime, que aprovou o desenho de Teixeira Mendes, também positivista. Amor, ordem e progresso formavam o tripé da religião.

Os desenhos recém-descobertos serviram de base para uma pintura a óleo, também de 1889, do artista Décio Villares, outro seguidor da igreja. Foi o molde para que as costureiras confeccionassem as primeiras bandeiras. A pintura ficou exposta na Igreja Positivista até 2010, quando foi roubada. Parte do telhado havia desabado, o que permitiu a entrada dos ladrões. A Polícia Federal e a Interpol foram acionadas, mas a obra até hoje não foi recuperada.

(com Agência Senado)

Leia também:
Bandeira Nacional enfrentou resistências até ser aceita








Hino da Bandeira Nacional



Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul. Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil por seus filhos amados,
poderoso e feliz há de ser! Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!




Fonte:
http://sites.uai.com.br/app/noticia/encontrobh/atualidades/2014/11/03/noticia_atualidades,151105/apos-125-anos-desenhos-originais-da-bandeira-do-brasil-sao-encontrado.shtml

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros olhares