quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Meditando com os signos - de Leão a Escorpião

Mês Solar de Leão
Um sábio antigo declarou que como é acima, é abaixo, e como é abaixo, é acima. Todos os Templos de Mistério verdadeiros que existem no plano físico são construídos em harmonia com o modelo zodiacal do céu. Naquele círculo de doze constelações, Câncer e Leão formam as duas colunas da entrada do Templo Cósmico. Correspondentemente,  colunas simbólicas foram construídas na entrada de todos os Templos de Mistério. Todo candidato tem que passar entre elas no seu caminho para a iluminação. Esses dois pilares receberam muitos nomes através dos tempos e seu significado tem sido enfatizado na literatura de mistério de todas as nações. A elas se faz referência como representando os elementos água e fogo, ou indicando os dois metais preciosos, prata e ouro, ou ainda como símbolos de dois corpos celestes, a Lua e o Sol.  Câncer tem sido chamado de mãe e Leo, de pai das almas.

Por entre essas colunas, o homem e a mulher da Nova Era terão que passar, de mãos dadas, em completa igualdade, para receberem a gloriosa herança que essa Era irá conceder a seus pioneiros. A Confraria Maçônica ainda tem que aprender que seus segredos mais profundos nunca serão compreendidos até que a Divindade Feminina tenha sido recolocada no seu estado de igualdade com a polaridade masculina oposta.
Os Antigos concebiam o signo de Leo como um alto sacerdote sentado numa carruagem, conduzindo duas esfinges, uma branca e outra preta. Um símbolo similar relaciona-se com Gêmeos, mas, nesse caso, as duas esfinges se ajoelham diante do alto sacerdote, significando que era sua tarefa escolher entre o caminho da luz e a senda da escuridão.  Em Leo, a decisão já foi tomada. Tanto a natureza inferior quanto a superior já se acham sob controle.
As palavras-chave de Leo são autoridade, domínio e triunfo. Um dos símbolos de Leo é uma espada, signo de conquista e vitória. Que essa espada também representa o poder criativo no interior de um indivíduo é mostrado em várias histórias da Bíblia.  Em Gênesis, por exemplo, encontra-se a descrição da expulsão de Adão e Eva do Jardim do Éden por eles terem comido do fruto proibido da Árvore do Conhecimento do bem e do mal. Em consequência de seu pecado, os Querubins montam guarda diante do portão, brandindo uma espada flamejante para impedir que o homem, por meio do acesso à Árvore da Vida, possa adquirir os segredos do corpo etéreo e aprender, desse modo, a imortalizar sua imperfeita forma física.
Esses mesmos Seres Celestiais eram representados de pé diante do Templo de Salomão, mas uma flor inteiramente desabrochada substituiu a espada.  Aqui, numa simbologia primorosa, está retratada a conquista de um Alto Iniciado, cujo corpo está misticamente descrito como um jardim florido. Nesse jardim, os dois principais centros de flores são o coração, a estrela diurna do corpo, e a glândula pituitária, o mais elevado dos dois centros espiritualizados da cabeça. É através desses centros de flores, quando totalmente despertados, que as poderosas forças de fogo de Leão agem sobre todo o corpo.
Na vida de Cristo, Sua Entrada Triunfal está relacionada às radiações magnificentes de Leão. O Espírito de Cristo estava, nessa ocasião, carregado magneticamente com a glória radiante do Pai, que havia sido conferida sobre ele, uma vez que o Sol estava transitando pelo signo majestoso dos céus. Isso, instintivamente, suscitou, da multidão, hosanas que acompanharam a Sua entrada.
Essa cena triunfal foi o começo dos acontecimentos culminantes no ministério terreno de Cristo, seguido por Sua assunção da regência deste planeta para a redenção do mundo. Isso também exemplifica a procissão festiva de um bem sucedido candidato entrando num Templo de Luz Iniciatório. Foi quando ele ouviu o canto angelical dos céus: “ Abençoado é o que vem em nome do Senhor (lei)”, isto é, aquele que caminha na luz espiritual e no amor.
A ciência materialista reconhece o Sol apenas em seu aspecto físico. A ciência esotérica reconhece duas esferas solares adicionais ou corpos espirituais interpenetrados. O primeiro desses é o veículo do Logo Solar que conhecemos como o Cristo Cósmico; o outro, de freqüência vibratória ainda mais elevada, é o corpo celestial do Pai do nosso  sistema solar.
A humanidade comum responde principalmente à influência do Sol físico, cujas emanações são correlacionadas a Jeová e às religiões de raça desenvolvidas sob sua influência. Foi durante o regime de Jeová que os Mistérios Menores foram inaugurados pelos Senhores de Mercúrio. Com a vinda de Cristo, foi instituída uma nova era, sob a qual o homem não olharia mais para a lei externa a ele, mas para a lei em seu interior, pois o propósito principal da vida para o homem é despertar sua divindade latente, o Cristo interno. Sob a influência de Mercúrio, foram inaugurados os primeiros Mistérios. Cristo veio trazendo os quatro Mistérios Maiores, cujo esboço é dado nos quatro Evangelhos do Novo Testamento. Netuno, o planeta da divindade e da Iniciação, dá à humanidade a ajuda necessária para a compreensão desses Mistérios Maiores que guardam as verdades mais elevadas que podemos entender nesse momento. Mais tarde, a Religião do Pai virá. Quando os pioneiros se qualificarem para a iluminação mais elevada inerente àquela religião, o planeta espiritual Vulcano emergirá para a percepção do homem, fato esse decorrente da lei que estabelece que, na seqüência do tempo, eventos exteriores se seguem aos ocorridos nos planos internos. Isso vai significar a revelação da glória e do poder muito além da capacidade atual da mente humana de compreender ou da linguagem humana de descrever. 

MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE LEÃO

23 de Julho a 24 de Agosto 
Regência: Sol

Este mês nos acerca ao próprio Coração do Universo, e, assim como nossos corpos sentem o calor ou o frio dos Raios do Sol físico, nossos corações sentem as irradiações de Amor que vêm do Sol Espiritual, porque o coração é o lar do Amor. 
Estas são as vibrações astrológicas de que o Signo de Leão é depositário, para penetrar toda a humanidade e tudo o que vive sobre a Terra.
O Sol Espiritual neste mês nos diz: 
VALOR - que tenhamos valor em nossas convicções; 
FORÇA - que tenhamos a força nascida de um caráter nobre; 
GENEROSIDADE - que a pratiquemos mas nascida do desinteresse; 
LEALDADE - que sejamos leais a tudo que é nobre e verdadeiro.

Tais virtudes formam os degraus da Escola da Vida pelos quais subimos, à semelhança do Cristo Senhor, partilhando com os demais as bênçãos que recebemos.

"Não julgueis segundo as aparências, mas julgai segundo a reta justiça".
São João, 7:24


Mês Solar de Virgem

A  Mãe Imaculada de todas as religiões do mundo acha-se representada no céu pela constelação de Virgem. Esse Eterno Símbolo Feminino é Ísis do Egito, Ishtar da Babilônia, Minerva da Grécia, Maya da Índia e Maria de Belém.
A líder feminina da Hierarquia de Virgem é a Mãe Cósmica do planeta. Para o homem, ela é a personificação do mais elevado princípio divino feminino. As supremas Mestras que vieram à Terra como as Madonas das maiores religiões do mundo são levadas a esse exaltado Ser para serem instruídas no mistério da Concepção Imaculada.
A representação pictórica da Virgem é uma donzela carregando numa das mãos um feixe de trigo e segurando na outra uma jóia magnífica, a bela estrela azul e branca Espiga, uma estrela de primeira grandeza. As radiações espirituais dessa estrela foram reconhecidas por muitos dos antigos. Eles construíram Templos dedicados à sua luz celestial onde poderiam receber sua bênção especial. Quando Espiga for novamente contactada, dessa feita por uma raça mais sensível e espiritualizada, o homem realmente estará sob o mais profundo significado da Imaculada Concepção. Como  Mãe Cósmica, é incumbência do signo de Virgem guiar a humanidade nos caminhos da pureza e despertar os elevados veículos do homem através das correntes etéreas mais elevadas em potência que qualquer uma jamais gerada em seu corpo.
Espiga significa um feixe de trigo e, assim, descobrimos que tanto o trigo como as estrelas são símbolos associados com Virgem e com as diversas Madonas. Eles não são meramente símbolos ornamentais, mas a insígnia verdadeira dos poderes possuídos por aqueles que tenham alcançado a condição espiritual onde as potências criadoras masculina e feminina acham-se unidas.
Belém significa a casa do pão. Uma das mais belas histórias relacionadas com o casamento místico é o relato bíblico sobre Ruth e Boaz. Ruth foi a Belém colher trigo ( o pão da vida ), e levou sua oferenda a Boaz, colocando-a a seus pés. Foi por meio de sua oferenda que ela tornou-se capaz de receber instruções de Boaz, seu professor espiritual, e,  mais tarde, sob sua orientação, receber o ritual exaltado do Casamento Místico.
Acha-se estabelecido na doutrina esotérica que o trigo foi um presente de Vênus para a Terra. É uma planta capaz de se reproduzir sem polinização, uma vez que contém em si os dois poderes criadores, um poder propriamente semelhante ao do Senhor Cristo que contém dentro de Si o poder andrógino. Com relação a isso, é interessante notar que o trigo e a Cristandade acham-se intimamente relacionados, pois onde o trigo não crescer, a Cristandade não florescerá.
De acordo com a bela lenda grega, os deuses e deusas abandonaram um a um a humanidade após sua descida ao materialismo, até que apenas Astrea, a deusa da justiça, restou. As condições finalmente tornaram-se tais que ela também teve que sair por um tempo e recomeçar nos céus, onde  foi transformada na constelação de Virgem. De lá, entretanto, ela continua a guiar e abençoar o mundo e a humanidade.
Virgem é o sexto signo, o significado numérico do seis entrando numa nova vida através do serviço. Na verdade, tem-se dito que “A Sabedoria Secreta está oculta no número. O número esconde o poder de Eloim”.  E Virgem é um signo mental. É governado por Mercúrio, o planeta da razão, que encontra seu lugar de exaltação nesse signo. Ele dá
a vivacidade mental que, em sua expressão inferior, inclina-se para o criticismo, mas, em seu aspecto mais elevado, torna-se construtivamente analítico.
O primeiro passo na conservação da força vital é pelo auto-controle. O segundo passo é a transmutação. A conservação é realizada pelo princípio da força de vontade masculina; a transmutação é obtida pela elevação do princípio do amor feminino. Esse trabalho está descrito no antigo símbolo da donzela ( Virgem ) fechando a boca de um leão ( Leão ).
Um nativo iluminado de Virgem responde à exaltação de Mercúrio neste signo, que transforma o conhecimento em sabedoria, pois sabedoria é conhecimento da alma. Virgem personifica o princípio feminino, sempre associado a sacrifício. Voluntariamente, ele se submete, como o pólo negativo da energia divina, a um ritmo vibratório inferior para que o princípio masculino, o pólo positivo, possa obter uma forma pela qual se manifeste. É esse princípio feminino que é sacrificado pelo bem do mundo, assim como na descida divina do Senhor Cristo, a Terra e seu povo poderão resgatar a luz perdida e alcançar a vida mais abundante.
Virgem é o signo da pureza e do serviço. Sua pureza engloba a do alimento que nutre o corpo e a que embeleza a vida. “Aquele que se humilhar será exaltado.”
A palavra-chave bíblica de Virgem é: “Aquele que quiser ser o maior de todos deve ser o servo de todos.” O serviço,  simbolizado pelo grão dourado de trigo, preenche o tesouro espiritual do nativo de Virgem que os ladrões não podem arrombar e roubar.
Virgem é também o signo da cura, um poder que vem com uma vida pura e espiritualizada.  É o signo da Mãe Terra ( Virgem é um signo de terra ) que protege e nutre seus filhos como o fez a Diana dos gregos. Todos os filhotes de animais vivem os primeiros meses sob a benéfica influência do aspecto materno de Virgem.
No Cristianismo, entretanto, Virgem é, acima de tudo, o signo da Imaculada Concepção.

MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE VIRGEM

24 de Agosto a 23 de Setembro 
Regência: Mercúrio

Virem diz: 
SERVIÇO, fundamentado em PUREZA - RAZÃO - DISCERNIMENTO. 
Esta é a clave para este mês Solar.

Divinos são os impulsos que nos chegam nesta época astrológica, porque seu propósito é preparar-nos para servir como Cristo, o Bom Pastor, que nos ensinou que somente quando o coração é puro e pleno de renúncia de si mesmo, se entrega às mais nobre das causas: servir desinteressadamente. 
Quando possamos distinguir entre o verdadeiro e o falso, por meio da razão chegaremos realmente a ser amigos do Sublime Pastor.

"Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros por amor."
     São Paulo, Gál, 5:13

Mês Solar de Libra


Cada nação tem celebrado o Ano Novo relacionado com a passagem do Sol por determinado ponto na eclíptica. Esses pontos são quatro, denominados pelos astrônomos de Solstícios e Equinócios. Alguns celebram o Ano Novo no Equinócio da Primavera; outros no Equinócio do Outono; outros ainda no Solstício de Verão ou Inverno.
Os antigos Hebreus criaram dois calendários, um laico e outro sacro. O Ano Novo do calendário laico mais antigo começa no mês de Tishri próximo ao Equinócio do Outono. O Ano Novo sacro, que eles parecem ter adotado dos Babilônios, mas que foi sancionado por Moisés (Êx.13:4), cai próximo ao Equinócio da Primavera. Sua festa da Páscoa era celebrada em observância àquela estação. As festas hebraicas eram todas determinadas pelas posições relativas do Sol e da Lua e a Lua Nova era contada no primeiro dia de cada mês.
Embora essa disposição enfatizasse a influência lunar de Jeová, ela era esquematizada por Iniciados que entendiam a correlação entre as forças espiritual e material. O Ano Novo laico e o Dia da Expiação ou julgamento eram celebrados na estação do Equinócio do Outono, e ainda são observados desse modo. Eles eram harmonizados a forças que fluíam através do universo com particular intensidade naquela ocasião, e impactavam a terra de modo especial. A constelação na qual o Sol cruza o equador celeste no Outono (hemisfério norte) é Libra, o signo da Balança no simbolismo astrológico e associado a ideais de justiça e equilíbrio.
Desde a vinda do Cristo espiritual, a ênfase faz-se sobre o Sol, o calendário solar e o Equinócio da Primavera, mas isso não tem alterado as verdades conhecidas pelos antigos Iniciados. Para os neófitos no Caminho da Santidade que conduz à Iniciação em Cristo, há ainda o Ano Novo espiritual celebrado no Outono, na ocasião em que o Sol cruza o equador celeste.
De acordo com a lenda astrológica Cristã, que naturalmente busca correlacionar os fenômenos astronômicos com os ensinamentos bíblicos, Virgem e Escorpião estavam unidos numa mesma constelação antes da Queda. Depois da Queda, eles se separaram e Libra foi inserida entre eles. A configuração astronômica para essa lenda é ainda perceptível no céu. A constelação de Virgem é uma das mais extensas no céu espiritual, atingindo no seu estado natural  cerca de vinte e quatro graus do signo de Virgem, através do signo de Libra, a cinco graus do signo de Escorpião, como são medidos hoje em dia quando o Equinócio da Primavera acha-se a cerca de dez graus de Peixes.
Os estudantes poderão observar que fazemos uma distinção entre a constelação e o signo. As constelações são as estrelas visíveis aos olhos. Os signos são divisões matemáticas arbitrárias do espaço, medidas a partir do Equinócio da Primavera ao longo da eclíptica em segmentos de trinta graus. O primeiro deles chamado de Áries, o segundo de Touro, o terceiro de Gêmeos e assim por diante, através do Zodíaco. Em um momento, essas divisões matemáticas do espaço ao longo da eclíptica, o caminho do Sol, coincidiam com o Zodíaco natural como aparece no céu. Os Gregos, de acordo com o restante do mundo antigo, usavam primeiro o Zodíaco natural, mas depois mudaram para as divisões matemáticas equalizadas por conveniência astronômica. Diz-se que Hipparchus liderou essa mudança, mas arqueólogos mostraram que os Babilônicos já usavam as doze divisões do Zodíaco da época de Hipparchus, e tornou-se evidente que os Babilônicos também calculavam a relação da precessão dos Equinócios ante de Hipparchus. No que diz respeito à civilização européia, entretanto, o sistema moderno de signos iguais suplantou as mais antigas divisões desiguais do zodíaco natural na época de Hipparchus (século dois a.C.), e o primeiro tem sido usado na astrologia ocidental desde então.
Para os Gregos, o signo de Virgem era Astrea, a Virgem dos céus. Ela segura em suas mãos os Pratos da Justiça (Libra) que estendem-se até a área dos céus que hoje chamamos de Escorpião. Outro sistema chama Libra de “As Garras do Escorpião”, pelo mesmo motivo.
Assim, Libra representa o marco miliário no local da decisão da alma, apontando a única direção no caminho da pureza, da castidade e da Concepção Imaculada como simbolizadas em Virgem. Na outra direção, aponta para a “queda” na procriação como simbolizada por Escorpião, o signo da oitava casa  que ordena que todas as formas humanas concebidas pelo modo atual de geração têm que morrer.
Esta hora de cada um ter de escolher o seu caminho, todos os neófitos vão enfrentar, como um campo de provas. Antes, ele será julgado digno de receber a luz que sua alma anseia. Os Egípcios representavam esse estado de consciência pela figura do homem de olhos vendados caminhado na direção de um precipício onde enorme crocodilo o aguardava. Nenhum outro símbolo pode verdadeiramente melhor retratar a atual condição da humanidade. Cego dos seus cinco sentidos, o homem apressa-se imprudentemente para a beira da destruição onde a boca escancarada do materialismo (o crocodilo) está pronta para devorá-lo.
A personificação da justiça (Libra) é convencionalmente retratada de olhos vendados porque a ação da justiça é impessoal. Não é movida nem por preferência nem por preconceito, colocando-se acima tanto da predileção emocional quanto do preconceito mental de modo semelhante, vendo com clara visão interior os resultados de causas passadas de sucessivos ciclos de renascimento. Quando a visão espiritual tornar-se uma capacidade comum à raça, a justiça deixará de ser representada com olhos vendados. Mais exatamente, virá com olhos abertos, destemida e compadecidamente, contemplar o homem e seu mundo.
Em outras constelações do Zodíaco, encontramos simbolizada a Queda do Homem. A Cristandade Esotérica reconhece que isso era também um fenômeno cósmico desse próprio globo físico em sua relação para com o universo e a humanidade que habita a Terra. Uma vez que cada homem é um cosmo em miniatura, ele também incorpora a história da Queda planetária. Quando ele, homem, entra no Caminho da Iniciação, conhecido na Bíblia como “o caminho da santidade”, ele parte da Queda Cósmica para encontrar seu caminho de volta ao estado Edênico.
Lendas santas contam que, antes da guerra no Céu e da queda de Lúcifer e seus Anjos, o Sol achava-se diretamente sobre o equador terrestre e a Lua permanecia cheia. Não havia mudanças de estações; o dia e a noite eram  de igual duração. Essa foi a Idade de Ouro.
Coincidente à queda de Lúcifer, houve um acontecimento cósmico: o eixo da terra moveu-se para a sua posição atual. Está agora inclinada 23 graus e meio em relação ao equador celeste. Essa mudança de posição ocasionou a mudanças das estações. A natureza da Queda também levou a uma descida gradual do estado etéreo no qual vivia o homem Edênico, para as condições materiais densas que temos hoje. À medida que o Homem seja redimido através da regeneração,  a terra irá vagarosamente endireitar-se e tornar-se mais e mais etérea.
Assim, o nosso Globo permanece entre o impulso de Virgem e o seu governante (Mercúrio) de um lado e o Escorpião e seu governante (Marte) do outro. Que a derradeira conquista será de Mercúrio sobre Marte (a mente sobre a matéria) acha-se indicada pelo fato de que em sua evolução a terra já passou pelo que os ocultistas chamam de “A Metade de Marte” do Período Terrestre e já entrou na “Metade de Mercúrio”. Paralelo à evolução do planeta, está o progresso dos reinos da natureza evoluindo a partir disso, um desenvolvimento que terá culminância na vida da humanidade, a onda de vida astrologicamente correlacionada com a constelação de Peixes.

MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE LIBRA

23 de Setembro a 24 de Outubro
Regência:Vênus

"Parai e conhecei que Eu Sou DEUS" - é o pensamento que nos chega neste mês Solar. Somente sossegando a personalidade pode o Eu verdadeiro, que é o Deus Interior, falar-nos e amar-nos.
Meditar nas palavras-clave:
REPOUSO - EQUILÍBRIO - JUSTIÇA - ESPERANÇA - HARMONIA ,
ajuda-nos a sossegar a personalidade e a equilibrar as atividades da vida.
A meditação ajuda-nos a estabelecer o equilíbrio, e estamos todos trabalhando para alcançar o plano espiritual, no qual não sejamos perturbados pelas condições exteriores e em que seremos corretos em nossos juízos.
O Amor é o Fator Básico do Equilíbrio - e DEUS é Amor.

Tu guardarás em completa paz aquele cujo pensamento a ti foi confiado".
Isaías, 26:3


MÊS SOLAR DE ESCORPIÃO

Desde o início do Período Terrestre, a criativa Hierarquia de Escorpião tem dado à humanidade padrões das formas de pensamento cósmico. Por esses padrões, o homem tem aprendido a construir seus corpos característicos. Por isso, os membros da Hierarquia de Escorpião são denominados Senhores da Forma. O Dr. Rudolf Steiner diz que a mente cerebral do homem nada mais é que uma taça para se imergir nesses pensamentos arquetípicos. 
Nos primeiros dias da evolução humana, os estudantes do Templo de Mistérios podiam contatar diretamente as Hierarquias Celestiais e observar o enorme serviço que elas estavam prestando à raça humana. Por esse motivo, a mensagem das estrelas foi incluída entre os estudos do Templo, e nenhum candidato tinha permissão para receber essas instruções sem uma longa e árdua preparação. 
Transmutação é a palavra-chave dominante de Escorpião. Durante o período entre o Equinócio de setembro e o Solstício de dezembro, quando a força dourada de Cristo está penetrando mais profundamente nesta esfera, o Arcanjo Miguel, segundo apenas em glória e poder ao Próprio Cristo, acha-se empenhado em limpar e transmutar o acúmulo dos desejos malignos do homem que pendem como uma escura nuvem de miasma sobre a Terra. Juntos, eles purificam e transmutam as formas de pensamentos negativos do homem que permeiam a atmosfera mental do planeta. Devido ao trabalho que executam, pensamentos e substância de desejo mais pura tornam-se disponíveis para o uso do homem na construção de corpos mental e astral mais fortes. Esses, por sua vez, penetram e fortalecem seus veículos etéreo e físico. 
Escorpião é o signo enigma do Zodíaco. Ele tem dois símbolos: um escorpião, que carrega o ferrão da morte em sua cauda, e uma águia que pode voar mais perto do Sol que qualquer outra ave. Esses símbolos retratam dois aspectos amplamente divergentes deste signo. Sob a influência do escorpião, o homem pode descer às profundezas da degradação; sob a influência da águia, sua natureza inferior é transmutada, podendo ele, assim, subir a maiores alturas espirituais.
Outro aspecto do paradoxo de Escorpião são as influências da água e do fogo exercidas através deste signo de elementos opostos, pois Escorpião, um signo aquoso, é governado pelo ígneo planeta Marte. Esta é mais uma indicação das propriedades místicas de Escorpião e do papel que ele tem na regeneração que precede a iluminação. A última só pode ser realizada depois que os princípios água e fogo tiverem chegado a uma união harmoniosa. 
Tal união foi demonstrada quando o ígneo Raio do Cristo arcangélico tomou posse do corpo do Mestre Jesus. Como um membro da raça humana, Jesus veio sob a Hierarquia de Peixes, estando assim sintonizado com o princípio da água. O que foi posteriormente realizado pelo Ser composto conhecido como Cristo Jesus foi a suprema demonstração do estado ideal, um certo grau de entendimento que toda a humanidade vai ter quando tiver aprendido a combinar os princípios do fogo e da água. Cristo ensinou esta verdade a Nicodemus quando Ele disse:  “A menos que o homem nasça da água e do espírito, não poderá entrar no reino de Deus”, sendo o espírito o princípio do fogo.
As condições externas nunca serão dominadas até que as forças interiores opostas e discordantes sejam harmonizadas. Uma vez tendo isso sido feito, o mistério amplamente oculto de Escorpião será revelado. Geração será transmutada em regeneração, de modo a não haver repetição das tragédias como as de Caim e Abel , e Salomão e Hiram Abiff. Os fatores que dividem essas correntes opostas da humanidade terão se rendido ao princípio que a todos une em harmonia. Em muitos mitos e lendas, tanto religiosos como profanos,  este preceito está diferentemente mostrado. Mas, apenas através de um estudo da ciência espiritual das estrelas, pode o seu significado ser compreendido com segurança e clareza.
Os Antigos Egípcios, que eram muito versados nos profundos mistérios do conhecimento das estrelas, divulgaram nas pinturas ensinamentos sobre polaridade para que aqueles que não podiam apreendê-los como ciência pudessem deles ter conhecimento intuitivamente através de símbolos apropriados. O seu glifo para Escorpião era o de um esqueleto dentro de uma sepultura aberta atravessada por um arco-íris. Num horóscopo, Escorpião governa a oitava casa, a casa da morte. Mas a casa da morte é também a casa da regeneração. Nela são encontrados ambos o escorpião e a águia. Formas imperfeitas e impuras são levadas à morte. Isso é beneficamente verdade porque nem tudo o que pertence a esse plano é digno de imortalidade. Só a essência da experiência mortal, agregada e incorporada à natureza superior do homem, assimilada, isto é, em sua alma, se torna imortal. É através do poder de Escorpião para realizar a regeneração que um espírito encarnado é capaz de utilizar as formas físicas e a morte inerente a elas como degraus para alcançar uma vida superior e renascer em veículos possuindo elementos de imortalidade. 
Retornando ao esqueleto como um símbolo dos poderes de Escorpião, encontramos que ele também representa as obras da lei cármica. Nesse aspecto, se apresenta como uma segadeira para ceifar a humanidade; em outras palavras, para remover as formas que são transitórias por natureza. Mas ele também revela que, enquanto a vida não tenha sido identificada com essas formas, não depende delas para a sua existência. Em meio às formas sendo ceifadas, surgem novas mãos, pés e braços, indicando a supremacia do espírito sobre a matéria e apontando para a lei cíclica do renascimento. O arco-íris que atravessa a sepultura é o símbolo da imortalidade. A esse respeito, apresenta-se ainda outra marca do aspecto regenerativo de Escorpião: a promessa de um tempo quando não mais existirão o sofrimento, a dor e a morte.

“ O ESPÍRITO JAMAIS NASCEU !
O ESPÍRITO JAMAIS DEIXARÁ DE SER ,
NUNCA HOUVE TEMPO EM QUE ELE NÃO EXISTISSE ;
O FIM E O PRINCÍPIO SÃO SONHOS ,
O ESPÍRITO PERMANECE PARA SEMPRE, 
INDEPENDENTE DOS NASCIMENTOS E DAS MORTES ;
A MORTE NÃO TEM NENHUMA INFLUÊNCIA SOBRE ELE ;
EMBORA PAREÇA MORTA EM SUA HABITAÇÃO.
ASSIM COMO TIRAMOS NOSSA ROUPA USADA
E APANHAMOS OUTRA DIZENDO :
HOJE USAREI ESTA !
ASSIM TAMBÉM O ESPÍRITO ABANDONA SUA VESTE DE CARNE,
E PARTE PARA VOLTAR
NOVA HABITAÇÃO , RECÉM-CONSTRUÍDA. “


MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE ESCORPIÃO

24 de Outubro  a 22 de Novembro 
Regência: Marte

As forças ocultas da Natureza atuam sobre este Mês Solar para que a vida recôndita no coração humano, a Chispa Divina proveniente de DEUS, desperte para mais nobres atividades e progrida em seu desenvolvimento evolutivo.
Encontra-se nesta vida todo o Poder de DEUS, e também Seu Amor, a fim de que o Poder seja usado somente para o que é bom.
A admoestação constante de Escorpião é: Agir de acordo com a inspiração do amor, para que a escória seja transmutada no Ouro do Espírito.

As palavras-clave  para este Mês Solar são:

VALOR - ENERGIA - HABILIDADE - REGENERAÇÃO

"E tudo o que fizeres, em palavra ou em obra, faze-o em nome do Senhor Cristo Jesus, dando graças a DEUS e ao Pai por Seu intermédio"
 São Paulo, Col. 3:17

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Meditando com os Signos - de Áries a Câncer

por Corinne Heline

Em cada período astrológico estabelecido por um mês solar, os impulsos divinos provenientes de cada uma das Hierarquias Criadoras nos chegam, através dos Astros Regentes, como ajuda para que possamos desenvolver as forças da Alma. Cada um desses períodos, portanto, nos ensina a lição correspondente aos valores que cada Hierarquia Criadora, por Amor, deseja fazer chegar até nós. Outrossim, associadas a cada mês solar, encontramos as palavras-clave sobre as quais deveremos meditar de forma a conseguirmos a correspondente realização espiritual. Que o proveito que cada irmão tire de suas meditações seja o maior possível, em especial das que realizar durante as noites de Harmonias Planetárias, quando, no mês solar correspondente, mais intensos e vibrantes estarão aqueles impulsos.


 Mês Solar de Áries

Como Áries é o primeiro signo de Zodíaco, ele é o local de novos começos. Nos ciclos anuais das passagens do Sol pelos doze signos, ele anuncia o início do ano espiritual. Ele tem sido assim visto mesmo nas nações em que o ano civil se inicia em outros signos do Zodíaco. Moisés indicou o mês de Abib (março-abril) como o começo do ano (Ex 13:4), por ser o mês da germinação do trigo e do milho. Uma ordem também foi dada a Moisés de que a imolação do cordeiro pascal deveria ocorrer quando a Lua Nova estivesse em Áries. No tempo da Páscoa original, o Sol achava-se próximo da estrela El Natik, que significava perfurado, ferido, imolado. A Lua Cheia estava então próxima à estrela Al Sheraton, que também significa machucado ou ferido. Como a Páscoa antecedeu a crucificação de Jesus Cristo, então os Céus proclamam a vinda de grandes acontecimentos para o destino da humanidade.
As palavras chave para Áries são pureza e sacrifício, e o símbolo de Áries é um cordeiro ou carneiro. Uma vez que foi sob a égide de Áries que o Senhor Cristo veio à Terra, ele é conhecido como o Bom Pastor. Uma representação pictórica bem conhecida mostra o Senhor carregando um cordeiro nos braços.
Durante os primeiros anos da era Cristã, como tem sido dito, o símbolo mais usado não foi o do Cristo crucificado, mas a cruz com um cordeiro repousando em sua base. Não foi senão pelo quarto século de nossa era que o cordeiro foi substituído por uma figura humana pregada na cruz.
Há duas cartas do Tarô que representam Áries, uma é a do Bufão e outra a do Alto Sacerdote. O primeiro representa um jovem com uma sacola sobre os ombros e uma rosa aberta na mão. Ele caminha para frente, destemido e ousado, para enfrentar os desafios da vida. É chamado de bufão porque ainda não iniciou sua busca e ninguém verdadeiramente compreende a vida enquanto não entrar no Caminho da Santidade. A outra carta mostra um Alto Sacerdote sentado em um trono, com um halo de luz dourada sobre a sua cabeça. Com ele, estão duas das mais sagradas relíquias, o santo cálice e a sagrada lança. Em sua mão direita, segura o cálice cheio das paixões humanas. Sobre este, colocou sua mão esquerda, indicando que ele obteve domínio sobre os elementos de sua natureza inferior. Essa figura retrata com detalhes a mais elevada expressão de Áries: autocontrole. As palavras do sábio Rei Salomão carregam a nota chave bíblica dessa conquista: “aquele que demora a se zangar é melhor que aquele que é poderoso e aquele que governa seu espírito é melhor que o que toma uma cidade!” Em um estágio mais elevado, o seguinte texto da Revelação se aplica: “Veja, eu faço novas todas as coisas.”
Richard Wagner, o Iniciado músico, fundamentou sua magnífica peça espiritual sobre Parsifal, na verdade oculta na simbologia dessas duas cartas do Tarot. Parsifal, o verdadeiro tolo, entra casualmente, como assim o foi, nas terras do Castelo do Graal. Involuntariamente, mata um cisne que flutuava nas águas do lago de cura. Através de seu sofrimento e contrição pela má ação cometida, sua alma desperta e ele entra no Caminho da Busca. Ele agora precisa sair pelo mundo para ser tentado para provar sua força, sua coragem e sua perseverança. Wagner disse que o tema de Parsifal era para ser enquadrado no tema “ forte é o poder do desejo, mas mais forte ainda é o poder anímico ganho através da resistência”. No fim, Parsifal retorna para tornar-se o Alto Sacerdote do Salvat ou Rei dos Cavaleiros do Graal. Usando o traje branco de Mestre e carregando a lança sagrada, ele entra no Templo do Graal para curar o ferimento de Amfortas. Depois disso feito, ele torna-se o instrutor dos Cavaleiros do Graal e o guardião fiel do Cálice Sagrado.
O que proporciona a transformação do tolo em Alto Sacerdote? O que transmuta um homem mortal em um que demonstra divindade? É o despertar do grande princípio do EU SOU dentro de si mesmo. É a Ressurreição de seu próprio Espírito Crístico. Esse é o tema do antigo cântico do Templo que ecoa o mais elevado conceito da ressurreição:

Antes de todos os mundos, Eu fui!
Através de todos os mundos, Eu sou!
Quando todos os mundos forem apenas lembranças, Eu serei! 

Na época da Páscoa, quando o Sol ascende do hemisfério sul para o norte, as forças de Cristo passam dos reinos físicos para os espirituais. O corpo da Terra é como o corpo do homem. É interpenetrado pelos veículos mais sutis que se estendem para muito além do corpo físico do planeta.
Repetindo, durante os seis meses do ano em que o Sol passa pelos seis signos abaixo do Equador e, pelos seis meses seguintes, quando passa pelos seis signos acima do Equador, a força de Cristo interpenetra os mais elevados reinos espirituais da Terra. Esses reinos são o lar da chamada morte, a região onde eles prosseguem com suas atividades normais por um tempo num ambiente de encantadora beleza e radiância. É aí que os Anjos e Arcanjos conduzem seus vários ministérios para os habitantes do planeta e sua descendência.
Quando o Sol entra em Áries, ele aponta para a Ressurreição gloriosa, iniciando a estação da transmutação do ano. Então as águas brancas de Peixes se fundem com o fogo vermelho de Áries, uma combinação que se manifesta na exuberância de flores e canções da primavera. É também, para o homem, a estação de transmutação, a época mais propícia para ele arremessar longe a pedra de sua vida passada e aflorar no poder total de uma consciência ressuscitada. Assim como a natureza troca a melancolia do sono do inverno pelo resplendor da primavera, e o Cristo transcende a agonia do Gólgota pela exaltação da alvorada da Ressurreição, do mesmo modo o discípulo que  fervorosa e persistentemente acompanhou o Cristo no íngreme e estreito caminho  tem a sua própria ressurreição nos recém despertados poderes de Cristo dentro de si mesmo.
Essa é a ocasião em que uma transformação surpreendente pode ocorrer dentro de seu corpo templo. Uma nova força emana do líquido branco de seus nervos e se une com uma nova essência nas correntes vermelhas de seu sangue, uma fusão que produz a luz dourada que infunde e envolve o corpo de um Iluminado. São João se referia a essa transformação quando escreveu que algum dia iremos andar na Luz como Ele está na Luz. Vermelho e branco são as cores de Áries e são também as cores da transmutação tanto na Natureza como no homem.


MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE ÁRIES

20 de Março a 21 de Abril 21
Regência: Marte

Nesta época do ano uma nova vida, um aumento de energia, surge com força irresistível em todos os seres vivos, que os inspira e neles infunde uma nova vitalidade, impelindo-os a novas atividades, mediante as quais aprendem novas lições na Escola da experiência.
O Espírito Solar, Cristo, permaneceu em nossa Terra desde o Natal, irradiando a todo ser vivo a Sua Luz, Sua Vida e Seu Amor, que são Seus dons para o mundo.
Na Páscoa Ele volta ao Pai para descansar e absorver nova Vida, que nos trará no próximo Natal.
Que usemos Seus dons para desenvolver nossas possibilidades espirituais, construir corações nobres e corpos sadios - como os utilizam as plantas para crescer em belas formas e delicado aroma.
A chave de Áries é : INICIATIVA - VALOR - AÇÃO RETA.
Façamos bom uso desta Força!


Mês Solar de Touro
Enquanto o Sol passa de Áries para Touro, uma pessoa sensível torna-se consciente de uma mudança na atmosfera psíquica da Terra, da elevada carga de radiações masculinas de Áries para o modo gentil e acariciante do signo de Touro, governado por Vênus. A Lua, também de natureza feminina, acha-se exaltada no signo que enfatiza ainda mais a doce e amorosa qualidade de um taurino desenvolvido. É, portanto, de acordo com as influências cósmicas que o “Dia das Mães” é festejado no segundo domingo de maio, quando os atributos femininos dos céus estão em ascendência.
Os Antigos representavam Touro como uma alta sacerdotisa sentada em um trono, tendo um  halo em sua cabeça e um  livro aberto apoiado em seus joelhos. Um véu cobria sua face simbolizando um ocultamento dos Mistérios para as multidões não despertadas. A divindade feminina guarda segredos sagrados da vida que nunca são revelados até que um buscador se aproxime com mãos limpas e coração puro.  O véu da sacerdotisa nunca pode ser levantado enquanto o homem guerrear seu semelhante e continuar matando para comer, por esporte, por vaidade ou para praticar crueldades tais como as perpetradas pelos vivisseccionistas. Toda vida é sagrada e precisa ser preservada para que o homem seja merecedor de remover o véu de Ísis e entrar nos mais profundos mistérios da vida.
Os taurinos são naturalmente atraídos para atividades em que as qualidades  venusianas encontram expressão. E, uma vez que Touro é um signo de terra, sua expressão tende para as artes práticas. A profissão de curar é favoravelmente influenciada por Touro, com ênfase em manter o corpo físico em perfeitas condições para o espírito que nele habita.
A nota-chave de Touro é “Eu tenho”. A nota-chave de Vênus, que rege Touro, é “Eu amo”. Num taurino não desenvolvido, isso leva a um amor possessivo que cerceia a liberdade do objeto de seu amor, o que traz desapontamento, discórdia e sofrimento em seu relacionamento. Débitos cármicos pesados são assim contraídos.
Sob a Hierarquia de Touro, a humanidade está pagando um pesado tributo causado anteriormente. Sob seu signo oposto, Escorpião, a dívida está sendo liquidada agora numa escala planetária através de guerras, convulsões sociais e desastres da natureza.
Forças transmutantes prevalecentes na natureza são ativas, sob a influência de Touro, para transformar a vida de um discípulo. Todo personagem bíblico ilustra as características de um signo zodiacal. A personalidade que exemplifica as características de Touro é Maria Madalena. Maria, a irmã de Lázaro, exemplifica Câncer, enquanto que a Abençoada Virgem Maria aparece sob o signo de Virgo, a Virgem. Assim, as três Marias, mais proximamente associadas com a vida e ministério de Jesus Cristo correspondem aos três signos femininos representantes do Zodíaco. Maria Madalena, encantadora e sedutora, foi centrada nas correntes de desejo da Terra; então, quando Cristo surgiu em sua vida, a chama vermelha da paixão foi transformada no fogo branco da alma. Foi essa transformação que concedeu a ela o privilégio de ser o primeiro de todos os Seus seguidores a ver o Senhor em Ascenção, e de ser por Ele ordenada a ir dizer aos outros a mais transcendente mensagem de todos os tempos:  “A Morte Não Existe!”

MEDITAÇÃO MÊS SOLAR DE TOURO

21 de Abril  a  22 de Maio
Regência: Vênus

As palavras-chave para este mês são:
HARMONIA - ATRAÇÃO - BELEZA - FIRMEZA

O Universo está fundamentado sobre a Harmonia; suas partículas estão unidas pelo poder mágico da Atração, posto em ação pelo Divino Amor.
As vibrações de Amor e Harmonia são as que produzem a Beleza da forma que se vê em todas as Obras de DEUS, e este mesmo Poder Divino é responsável pela estabilidade das Leis da Natureza, que são as mesmas "ontem, hoje e pelos séculos" e podem produzir os mesmos efeitos em nosso pequeno Sistema Solar.

"No princípio era o Verbo...
Todas as coisas por Ele foram feitas; e sem Ele nada do que foi feito se fez."
São João, 1:1-3


Mês Solar de Gêmeos
Este é o signo dos gêmeos. No plano material, isso significa dualidade; no plano espiritual, polaridade. Os Antigos designavam a Gêmeos duas estrelas brilhantes: Castor e Pólux. Eles ensinaram que Mercúrio, regente de Gêmeos, outorga imortalidade sobre essas duas estrelas em dias alternados, sugerindo assim,  sutilmente, a natureza dual do signo. Sob a influência de Gêmeos, o homem facilmente oscila de um modo ou de outro: do material para o espiritual, do pessoal para o impessoal.
A nota-chave de Gêmeos é a versatilidade. Seus nativos estão caracterizados pela habilidade de fazer bem muitas coisas. Os nativos de Gêmeos freqüentemente se empenham em escrever e falar sobre assuntos espirituais e, algumas vezes, tornam-se pessoas que curam espiritualmente.
Gêmeos é um signo mental, e a mente pode conduzir tanto na direção da escuridão ou da luz. São Paulo bem compreendeu isso quando fez o ponto focal de seus ensinamentos o ideal de que “Cristo se forme em você”. Até a mente se cristianizar, acha-se cheia de grandes perigos. Para novamente citar São Paulo: “A mente carnal é antagônica a Deus”.
O antigo hieróglifo de Gêmeos era a figura de um alto sacerdote num trono. Duas esfinges, uma branca e outra preta, estavam ajoelhadas a seus pés, um outro símbolo retratando a dualidade do signo de Gêmeos.
De acordo com a natureza de Gêmeos, aqueles predominantemente sob sua influência freqüentemente enfrentam a necessidade de escolher uma ou duas coisas ou caminhos; daí ser essencial para eles cultivarem seus poderes de discriminação, poderes enfatizados em Virgem, também regido por Mercúrio, como especialmente importantes. Eles  têm que cultivar estabilidade e fixação de propósitos porque são facilmente influenciáveis. O nativo de Gêmeos precisa  de muito tempo para concentração e meditação sob a afirmação “Aquiete-se, e saiba que eu sou Deus”.
Rafael é o embaixador angélico de Mercúrio na Terra, o guardião e o diretor de todos os movimentos de cura no mundo. Rafael também governa os mais elevados ensinamentos do Templo, sendo o mais importante o poder de cura da mente. Esse princípio encontrou ampla aceitação e prática nesses tempos modernos.
Uma bela lenda diz que, ao fim de cada dia, o Anjo Sandalphon recolhe todas as orações de ajuda e de cura que vieram da Terra e as coloca diante do Trono de Deus onde, em terna bendição, elas são transformadas em um glorioso arranjo de perfumadas flores. Essa lenda recebeu de Longfellow bela expressão nas seguintes linhas:

E ele reuniu as orações onde se encontrava,
Que transformaram-se em flores em suas mãos,
Em guirlandas de vermelho e púrpura;
E sob o grande arco do portal,
Através das ruas da Cidade Imortal,
Foi espalhada a fragrância que delas emanava.

O mesmo pensamento aplica-se a Rafael, o Anjo da Cura, que, por sua proximidade à nossa raça, tem sido chamado de “o amigo do homem”.
Rafael, o embaixador de Mercúrio, exemplifica em seu próprio ser os Senhores de Mercúrio que agora acham-se desempenhando um papel incrivelmente ativo no trabalho de iniciação da humanidade. Ele governa os Mistérios, o trabalho inicial da raça humana para a parte remanescente do Período Terrestre. Os Mensageiros de Mercúrio servem a todos aqueles que estão aspirando à Iniciação e, de acordo com Max Heindel, eles receberão sempre mais ajuda com o passar do tempo. Muitas pessoas sensitivas estão percebendo a presença deles, pois os Mercurianos pertencem à nossa onda de vida que originalmente tinham seu lar no Sol. Eles são, entretanto, muito mais adiantados que a humanidade terrestre e Rafael é o protótipo deles diante do Trono de Deus.


MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE GÊMEOS

22 de Maio a  22 de Junho
Regência: Mercúrio
Em DEUS vivemos, nos movemos e temos nosso ser.

As radiações que vêm a nós neste mês, enquanto o Sol passa pelo Signo Zodiacal de Gemini, nos inspiram e nos animam a esperar e escutar a Verdade de DEUS, que preenche todo o Universo para que conheçamos e compreendamos, e ao fim cheguemos a ser perfeitos , como ELE é Perfeito.
Que tenhamos abertas as janelas do Espírito e da Mente; que nenhuma dúvida, temor, ânsia nem preocupação ofuscante nos deslumbre, para que a Verdade nos torne livres de toda condição adversa.

As chaves de meditação para este mês Solar são:
RAZÃO - ADAPTABILIDADE - CONCÓRDIA - DISPOSIÇÃO

para que estabeleçamos e mantenhamos aquele equilíbrio mental que nos permita desenvolver o poder da lógica e adaptar-nos às sempre flutuantes condições do progresso evolutivo, e equilibrar as incursões de nossa energia vital.

"Antes, como está escrito: Coisas que o olho não viu, nem ouvido escutou, nem subiu ao coração do homem, são as que DEUS preparou para aqueles que O amam."
São Paulo, I Cor., 2:9



Mês Solar de Câncer
Câncer é o signo mais profundamente místico, o principal signo feminino. A Lua, regente de Câncer, é o local de exaltação de Júpiter e Netuno, e sua nota-chave é fecundidade. Nas águas cósmicas de Câncer, acham-se os germes que animam toda forma terrena pertencente aos diversos reinos da  natureza. Câncer também governa o lar e a família, e suas qualidades tendem a desenvolver atributos de caráter que possibilitam aos pais comandarem amorosa e harmoniosamente seus familiares. 
O misticismo de Câncer deriva, em parte, de Júpiter, o planeta de expansiva compaixão e generosidade, porém, mais ainda de Netuno, a mais elevada oitava de Mercúrio e o planeta da divindade. O Solstício de Verão no hemisfério norte ( Inverno no hemisfério sul) ocorre quando o Sol entra nesse signo e a estrela fixa Sírius, azul-brilhante-esbranquiçada, derrama sua influência espiritual em grande quantidade sobre a Terra. Como signo da mãe cósmica, Câncer é o portal por meio do qual os egos humanos vêm para renascer.
Através da influência de Júpiter, as artes criativas são especialmente inspiradas nessa estação, enquanto que Netuno faz desse período o mais propício para as almas iluminadas passarem pelos portões da luz para o mundo interno e lá experimentarem a vida imortal. Um dos três princípios do ser tríplice do homem é governado pela Lua, por Júpiter ou Netuno. Em suas correlações, a Lua está relacionada com seu corpo físico, Júpiter com sua alma e Netuno com seu espírito.
A humanidade em geral responde a Jeová através da influência do Sol físico. Os Iniciados nos Mistérios Menores respondem através da influência do Sol espiritual, o corpo do Cristo Cósmico. Os Iniciados nos Mistérios Maiores respondem através da influência de Vulcano, que corresponde ao corpo solar do Pai. Os astrônomos ainda não descobriram o planeta Vulcano. Ele irá,  porém, tornar-se conhecido para o mundo através do resultado de observações científicas, quando bastantes indivíduos tiverem se tornado suficientemente sensíveis para receber suas vibrações. Essa foi a condição sob a qual os planetas Urano, Netuno e Plutão começaram a ter assentamento nos veículos superiores do homem.
Os antigos representavam Câncer pela figura de uma mulher com a Lua sob seus pés e a coroa de doze estrelas na cabeça. Esse símbolo foi também usado por São João na Revelação para representar a triunfal restauração do princípio feminino caído, a Eva do Gênesis, para seu divino estado original. Essa exaltada figura feminina simbólica do grande Iniciado da Hierarquia de Câncer é conhecida como Querubim. Um dos maiores Iniciados dessa Hierarquia é a Mãe Cósmica do universo, ao qual pertence este planeta Terra.
A Lua como regente de Câncer significa geração;  Netuno exaltado em Câncer significa regeneração. A transmutação da geração em regeneração é o novo nascimento sobre o qual Cristo falou a Nicodemus quando ele foi ao Mestre “durante a noite”.
A nota-chave bíblica de Câncer é encontrada nestas palavras de Cristo: “ Enquanto o homem não nascer novamente, ele não verá o Reino de Deus...  Enquanto o homem não nascer da água ( Lua em Câncer) e do espírito (Júpiter em Câncer), ele não poderá entrar no Reino de Deus ( Netuno em Câncer)”.  Este é um dos mais explícitos ensinamentos da Iniciação dada por Cristo durante Seus três anos de ministério. Todo homem conhece o nascimento natural sob a Lua em Câncer, mas poucos há que aprenderam a percorrer o “estreito e apertado caminho”.
da renúncia da carne e dedicação ao espírito implícito na exaltação de Júpiter e Netuno em Câncer. Porém, esta é a única e verdadeira chave à elevação da consciência, pela qual o homem é levantado do nascimento natural ou “de água” para a divina expiação do nascimento “de fogo” em espírito.

MEDITAÇÃO PARA O MÊS SOLAR DE  CÂNCER

22 de Junho a 23 de Julho
Regência: Lua

Durante este mês estamos sob a influência da Mãe Cósmica - o Signo de Câncer - e se nos fizermos acessíveis a suas correntes, mais fácil e perfeitamente aprenderemos as lições que ela nos ensina.
Ela desejaria que em nossas mentes IMAGINÁSSEMOS  as coisas de modo claro e preciso. Ajuda-nos, também , ela , a desenvolver a faculdade da INTUIÇÃO -  o comando que recebemos através do coração.
Por meio da intuição conhecemos a unidade de toda a vida e, com este conhecimento, surge a SIMPATIA. O Amor faz dessa simpatia um sentimento tão grande e nobre que se estende muito além dos limites do lar individual, abrangendo o mundo inteiro que, em realidade, nada mais é que uma grande e única família de todos os filhos de DEUS em sua escola de experiência.

As palavras-clave para este mês são:

IMAGINAÇÃO - INTUIÇÃO - SIMPATIA

"Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei a vós".
São João, 13:34

Outros signos:
Meditando com os signos - de Leão a Escorpião
Meditando com os signos - de Sagitário a Peixes

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Chaves curativas de alguns óleos essenciais


fonte da imagem: Blog da mulher
Hoje, enquanto aguardava para ser atendida em minha primeira sessão de acupuntura (até que enfim criei coragem) na sala de espera havia aquele "clássico" cestinho de revistas, porém o que estava lá não eram apenas revistas...
Além delas e de panfletos sobre "n" coisas, deparei-me com um belo faraó "olhando" para mim... ah esse Egito, sempre no meu caminho!!!
Sinal de sorte e de fortes indícios que estava no lugar certo!!!
Bom, falando sério, trata-se do Jornal Informativo de Aromatologia, publicado e distribuído gratuitamente  pela Laszlo Aromaterapia.

imagem: foto feita por Soraia
O jornal é muito bem elaborado e com apenas 8 páginas consegue trazer assuntos muito interessantes e atuais sobre os diversos óleos essenciais e suas aplicações terapêuticas.
O texto que segue abaixo faz parte deste exemplar, que guardarei com muito carinho. 

Chaves curativas de alguns óleos essenciais
Camomila Romana (Anthemis nobilis)
PERDÃO - PUREZA - INOCÊNCIA
Franz Eugen Köhler, Köhler's Medizinal-Pflanzen
Calmante, neutraliza a agressividade e a raiva, eliminado mágoas no coração. Dissolve estados críticos e preconceituosos nas pessoas. Trabalha o perdão. Conecta com a energia angelical dentro de cada ser humano. Desperta a alegria por viver, combatendo depressões mórbidas e a falta de esperança por algo melhor. Útil em insônia e ansiedade.


Cedro do Atlas (Cedrus atlantica)
FORÇA- DETERMINAÇÃO - FOCO
http://scientificillustration.tumblr.com/post/29749415902/cedrus-libani-the-cedar-of-lebanon-by

Como a madeira, rígida e reta, fortalece o foco e o direcionamento na vida. Para pessoas perdidas, desorientadas, inseguras e com baixa estima. Traz segurança e determinação, aumentando a resistência para enfrentar velhos problemas e medos antigos.


ESPRUCE CANADENSE (Tsuga canadensis)
INSPIRAÇÃO - ALÍVIO - INTROSPECÇÃO
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Tsuga_canadensis_drawing.png
Focaliza a alma para dentro de si para um estado de profunda meditação contemplativa e de inspiração. Reduz comportamentos ansiosos de querer fazer tudo ao mesmo tempo atropelando a vida. Útil na terapia de fobias e síndrome do pânico. Alivia a alma da sensação de sobrecarga gerada pelo stress.


GERÂNIO (Pelargonium graveolens)
CORAGEM - CONFIANÇA - AMOR

Fortalece dentro do ser a sensação de coragem, eliminando a insegurança e medos desconhecidos. Trabalha o vazio e a carência emocional, trazendo uma sensação de preenchimento. Auxila na harmonização de conflitos familiares, brigas, desafetos e na superação das dores e dificuldades, possibilitando a passagem para o momento seguinte.


OLÍBANO (Boswellia carter)
ACEITAÇÃO - ENTREGA (Fé) - PROPÓSITO
Possibilita a alma a se reconectar com a sua divindade interior, resgatando a fé e a capacidade de compreender o propósito da vida. Desperta a espiritualidade trabalhando a aceitação e a compreensão de dificuldades e turbulências na vida. Dissolve o materialismo reconectando a alma com energias luminosas. Afasta energias interferentes e negativas. Útil em estados oscilatórios de perda do equilíbrio como labirintite e distúrbio bipolar.

Fonte: Jornal Informativo de Aromatologia - 3ª edição  - Ano II Outubro 2012
http://www.laszlo.ind.br/default.asp?pagina=artigo

domingo, 28 de outubro de 2012

África de todos os sabores

Nova África é uma série de reportagens com temas variados sobre o continente africano que está sendo exibida pela TV Brasil.
Uma verdeira aula, que me fez ficar parada diante da TV e que infelizmente não faz parte do chamado "horário nobre" da televisão brasileira.
Escolhi dois episódios para postar aqui, que me chamaram a atenção: "Gastronomia Africana" e "A Ilha de Moçambique".
Aproveito para dedicar esta postagem para Helen Riding e António Rosa.



A cozinha, as receitas, os modos e os temperos. A gastronomia africana é um universo amplo e fascinante que passa pelos ingredientes, utensílios, sabores e saberes do homem. O Nova África dessa semana mostra como a variedade retrata este continente. Do norte ao sul, pratos que misturam influências mediterrâneas, tribais, asiáticas, árabes, e até brasileiras.

O primeiro destino é o Benin, onde a repórter Dina Adão mostra como a culinária brasileira influenciou os pratos servidos neste país. O historiador Noel explica como os escravos brasileiros levaram costumes culinários ao retornarem ao lar.

De lá, seguimos para o segundo país mais populoso do continente, a Etiópia, que abriga um dos maiores mercados a céu aberto da África: o Adis Abeba. Com a repórter Aline Maccari compraremos os ingredientes necessários para o preparo de uma receita típica e muito especial para os etíopes, a galinha doroet.

O prato, servido apenas em ocasiões especiais, tem seu simbolismo desvendado em uma visita a um dos restaurantes mais tradicionais do país. E ainda na Etiópia, uma outra tradição gastronômica bastante apreciada no Brasil: o café. Veja as diferentes formas de preparo desta iguaria, com por exemplo, o café com sal.

O programa mostra ainda um restaurante na África do Sul que serve apenas comidas originadas no continente. O África Café busca manter as tradições gastronômicas de toda a África em um país que, cada vez mais, ocidentaliza a sua culinária. A proprietária fala sobre os estereótipos criados pelos visitantes, que associam comida africana a pobreza e sujeira, o que não é verdade.

Já a última viagem deste episódio tem como destino o Marrocos. Mundialmente famoso por seus pratos e temperos exóticos, o país tem um dos mercados mais tradicionais, coloridos, barulhentos e divertidos do norte da África: o Jema El Finá. Quem acha que os franceses são os maiores consumidores de pão do mundo ficará surpreso. Além disso, veja como é preparada uma iguaria bastante consumida por lá e aqui, o cuscuz.

Ainda no Marrocos, uma entrevista com um dos maiores cozinheiros do continente, o chefe Tarik Harabida. Nascido e criado por uma família de cozinheiros, aos 17 anos Harabida iniciou sua trajetória na gastronomia. Para ele, a especialidade da comida marroquina é resultado dos hábitos e, principalmente, da história do povo deste país.

--------------
A ILHA DE MOÇAMBIQUE
A série Nova África vai até Moçambique, e, de carro, faz um longo percurso. O programa visita as paisagens e a história da antiga Colônia portuguesa situada na Costa Oriental da África. Apresenta o país sem um viés folclórico, e sim, mostrando como vivem e trabalham os Moçambicanos.





Conheça mais sobre esta série de reportagens:


sábado, 27 de outubro de 2012

As Divas na Cozinha

imagem: Colagem com a Capa do livro e Maria Calas

Nesta última quinta-feira, dia 25 de Outubro, assisti no programa Sem Censura, uma entrevista bacana com o visagista, artista plástico e pesquisador das divas, Evânio Alves. Num papo leve e descontraído, o autor do livro "As Divas na Cozinha" conta um pouco da rotina das grandes divas na cozinha.
Histórias inimagináveis ... 
Confira a entrevista de Evânio no link abaixo:

Duas receitas extraídas do livro
colagem: Sophia Loren, com a mão na massa, literalmente
e Jane Fonda, nos intevalos de gravação do filme Barbarella



Conheça o site do autor:http://www.espacodivas.com/

Confira também:


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Dos índios americanos Dakota aos índios brasileiros Guarani-Kaiowá - Histórias que se repetem nos dias de hoje - À Sombra de um Delírio Verde


"Onde estão hoje os Pequots? Onde estão os narragansetts, os moicanos, os pokanokets e muitas outras tribos outrora poderosas de nosso povo? Desapareceram diante da avareza e da opressão do Homem Branco, como a neve diante de um sol de verão. Vamos nos deixar destruir, por nossa vez, sem luta, renunciar a nossas casas, a nossa terra dada pelo Grande Espírito, aos túmulos de nossos mortos e a tudo que nos é caro e sagrado? Sei que vão gritar comigo: Nunca! Nunca!" TECUMSEH, dos shawnees

"De quem foi a voz que primeiro soou nesta terra? A voz do povo vermelho que só tinha arcos e flechas...O que foi feito em minha terra, eu não quis, nem pedi;os brancos percorrendo minha terra...Quando o homem branco vem ao meu território, deixa uma trilha de sangue atrás dele...Tenho duas montanhas neste território - as Black Hills e a montanha Big Horn. Quero que o Pai Grande não faça estradas através delas. Disse estas coisas três vezes; agora venho dizê-las pela quarta vez." MAHPIUALUTA (Nuvem Vermelha), dos sioux oglalas


Leia em PDF:
http://www.biologia.ufrj.br/ereb-se/artigos/enterrem_meu_coracao_na_curva_do_rio.pdf

----------

Apelo dos Guarani-Kaiowá ecoa na comunidade internacional 



Em cartas públicas, populações indígenas pedem que seja decretada sua "morte coletiva" em vez de emitida ordem de despejo. Problema de demarcação de terras que existe desde os anos 1970 ganhou atenção internacional.
Continu lendo em:

http://vimeo.com/32440717
Na região Sul do Mato Grosso do Sul, fronteira com Paraguai, o povo indígena com a maior população no Brasil trava, quase silenciosamente, uma luta desigual pela reconquista de seu território. Expulsos pelo contínuo processo de colonização, mais de 40 mil Guarani Kaiowá vivem hoje em menos de 1% de seu território original.
Sobre suas terras encontram-se milhares de hectares de cana-de-açúcar plantados por multinacionais que, juntamente com governantes, apresentam o etanol para o mundo como o combustível “limpo” e ecologicamente correto. Sem terra e sem floresta, os Guarani Kaiowá convivem há anos com uma epidemia de desnutrição que atinge suas crianças.
Sem alternativas de subsistência, adultos e adolescentes são explorados nos canaviais em exaustivas jornadas de trabalho. Na linha de produção do combustível limpo são constantes as autuações feitas pelo Ministério Público do Trabalho que encontram nas usinas trabalho infantil e trabalho escravo.
Em meio ao delírio da febre do ouro verde (como é chamada a cana-de-açúcar), as lideranças indígenas que enfrentam o poder que se impõe muitas vezes encontram como destino a morte encomendada por fazendeiros. 
À Sombra de um Delírio Verde
Tempo: 29 min 
Países: Argentina, Bélgica e Brasil 
Narração: Fabiana Cozza 
Direção: An Baccaert, Cristiano Navarro, Nicola Mu 
thedarksideofgreen-themovie.com

No Facebook
facebook.com/pages/THE-DARK-SIDE-OF-GREEN/132106013477766?ref=ts

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Mapas: formas, imagens e imaginação

Ontem estava procurando na Internet um mapa, mais especificamente o de Minas Gerais, para ver se havia alguma informação interessante sobre o formato do mesmo.
Além daquilo que já sei, que o mapa lembra um rosto de perfil e com um nariz bem grande, não encontrei nada significativo.


Curiosa que sou, continuei pesquisando e encontrei no blog do Railer, que também é mineiro, uma postagem muito bacana sobre este mesmo tema.
Na realidade o que me impressionou, foram os comentários inteligentes que seus leitores fizeram, e que acabaram por acrescentar, através das impressões de cada um a cerca de outros mapas de alguns estados do Brasil, um quê de curiosidade, informação e imaginação.
Peço licença ao autor do blog para colocar aqui alguns dos mapas que foram citados e com o que eles  se parecem, segundo os comentários dos leitores:



RIO GRANDE DO NORTE:
UM ELEFANTINHO


RIO DE JANEIRO:
UM GATO DEITADO


MARANHÃO:
A CARA DE UM BODE

SANTA CATARINA:
UMA CHAVE


MATO GROSSO:
UM CACHORRINHO DE PERFIL
(A ORELHA ESTÁ ENTRE OS ESTADOS DO AMAZONAS (AM)
E  DO PARÁ (PA) 


ACRE:
UMA BOCA ABERTA (NUM ROSTO DE PERFIL)


TOCANTINS:
UM CHAPÉU DE MAGO


BAHIA:
LEMBRA O MAPA DO BRASIL
 (MEIO DE LADO)
Mapa do Brasil

O mapa de Goiás não foi mencionado nos comentários, mas de tanto ver mapas acabei encontrando nele alguma coisa.
Seguindo o contorno do mapa, na divisa com Minas Gerais, aparece um rosto de perfil com a boca aberta.


No mesmo mapa, quando em tamanho menor (o quadradinho branco em destaque  representa o Distrito Federal) faz com que o mesmo adquira um semblante  zangado, como que mostrando os dentes por conta do quadradinho branco:

HAJA IMAGINAÇÃO!


Fonte dos mapas:http://www.baixarmapas.com.br/

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Escudo do Leste

Ilumina meu caminho
Para que eu possa voar com a Águia
Para a casa da primeira luz do Avô Sol


"- O Escudo do Leste é aquele centro de iluminação onde habita a Águia. É nesse local que você encontrará a Porta Dourada que conduz a todos os outros níveis de percepção e compreensão. O Leste é onde o Avô Sol nos saúda a cada manhã.
Existem três caminhos que nos levam à sabedoria do Escudo do Leste...

... O primeiro Caminho é utilizar qualquer talento ou criatividade que você possua em seu interior. Seguindo simplesmente este Caminho, poderá atingir a Iluminação."

"O segundo Caminho nos é indicado por nossa irmã, a Cobra. Ela costuma livrar-se da sua pele, e nós encaramos isto como uma forma de livrar-se de velhos hábitos. O verdadeiro Xamã da Cobra transmuta os seus próprios venenos, visando à mudança e à Cura. O segundo Caminho para a Iluminação é o da Cura, da transmutação dos próprios venenos."

"O terceiro Caminho para a Iluminação funciona da mesma maneira que o símbolo do dinheiro para o homem branco. Trilhando este Caminho, aprende-se a usar e a trocar cada energia adequadamente. A troca de energia pode tomar a forma de uma barganha, um acordo comercial ou, ainda, um pagamento. Pode dar-se através de uma doação, um empréstimo, ou de pura ganancia. A troca é realizada por aquele que dá e por aquele que recebe. Neste sentido, dinheiro e energia representam a mesma coisa. As pessoas costumam ter medo de perder dinheiro ou de perder algumas formas de energia, como a da saúde. Elas tem medo de que estas energias lhe sejam usurpadas , e também tem medo de lutar contra a própria ganância. O terceiro Caminho da Iluminação é bastante delicado. O uso adequado da troca de energia fara as pessoas compreenderem que existem tanto formas materiais quanto formas mais sutis, suprafísicas, de energia. A lição do Terceiro Caminho é a seguinte: a verdadeiro energia da troca é saber partilhar a sua própria energia com os outros."


Fonte do texto: As Cartas do Caminho Sagrado - Jamie Sams - ilustração por Linda Childers
Fonte da imagem:
http://auraanalysis.blogspot.com.br/2010/04/east-shield.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros olhares